Inovação tem impacto crescente nas TI da Saúde

Suportar os avanços nos equipamentos médicos é um dos desafios destacados por David Vieira, director de SI e TI da Luz Saúde.

 

David Vieira_director de TI_Luz Saúde

David Vieira, director de TI do Luz Saúde

A inovação nos equipamentos médicos tem acelerado, com impacto incontornável “nos seus meios de suporte”, pelo crescimento no volume de dados que representa, afirma David Vieira, director de SI e TI do grupo Luz Saúde. “Há exames com um 1GB de informação”, ilustrou, numa intervenção durante um evento da Schneider Electric, dedicado ao segmento da Saúde.

Mais tarde disse haver necessidade de surgir tecnologia disruptiva para gerir e armazenar melhor um volume de dados cada vez maior.

Apagar dados não é solução linear, porque implica decidir o que eliminar, com o riscos de se perder capacidade preditiva sobre dados, por estes deixarem de existir. Além daquele que será um dos mais específicos (por via dos equipamentos) do sector da Saúde, numa intervenção durante um evento da Schneider Electric, o responsável revelou outros desafios.

Assim, por exemplo, referiu-se aos ataques incisivos à segurança de informação como algo quase inevitável. As unidades de serviços de saúde são “o novo alvo”, referiu aludindo a um alerta do ministério da Saúde para as consequências e riscos de fuga da informação.

Mas mesmo sem incidentes, uma paragem programada das TI para manutenção, numa dessas unidades é um desafio pela mitigação necessária do seu impacto nos serviços, acrescenta. O suporte ao crescimento da actividade por adição de unidades hospitalares foi outro foco de pressão apontado pelo responsável e será mais específico da organização onde trabalha.

A capacidade de renovação dos activos existentes é um factor positivo para atingir o objectivo de dar suporte ao incremento de escala das necessidades.

Contudo, e ainda sobre tema da expansão, considerou desafiantes as necessidades de garantir um crescimento modular das TI, para dar suporte ao incremento de escala das necessidades.

A adopção de tecnologia normalizada, o investimento indexado ao grau utilização e a capacidade de renovação dos activos existentes são factores positivos para atingir o referido objectivo, no seu entendimento. Especialmente o último, frisou.

Além da pressão crescente dos pacientes, comum a outras sectores, David Vieira assinalou outra mais específica: o recurso dificultado a cloud computing.

Exceptuando as questões de conformidade regulatória, existem muitas aplicações que dificilmente serão passíveis de utilização naquele modelo.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado