INESC TEC com 60 milhões para tecnologias marítimas

O valor está distribuído por 18 projectos em desenvolvimento até 2018, incluindo o StrongMar iniciado recentemente.

Por Aurelian Săndulescu_www.flickr.com_photos_aurelian_s_8735565479_ CC BY 2.0O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) diz ter cerca de 60 milhões de euros para desenvolver tecnologias de suporte a economia do mar até 2018.

O valor está distribuído por 18 projectos, enquadrados no contexto da Extensão da Plataforma Continental Nacional, em análise na ONU. O instituto diz estar a desenvolver metodologias, software e hardware, para necessidades de Portugal no sector do mar e estima que sejam preparados entre 10 a 12 protótipos para essa área.

O INESC TEC anunciou o início do projecto StrongMar, para capacitação científica, tecnológica e económica, orientado por um grupo de investigação nacional, com a colaboração de vários parceiros estrangeiros:Universitat de Girona, University of Aberdeen, Heriot-Watt University e a NATO Science & Technology Organization, assim como do CINTAL (Centro de
Investigação Tecnológica do Algarve).

“Aumentar as qualificações dos recursos humanos de investigadores portugueses ou a trabalhar em Portugal, aumentar o potencial científico e tecnológico de Portugal, o investimento em I&D nacional, através da captação de financiamento europeus, ou contribuir para a exploração sustentável do potencial científico, tecnológico e económico do Mar são alguns dos objetivos do StrongMar”, explica Eduardo Silva, coordenador do Centro de Robótica e Sistemas Autónomos do
INESC TEC.

Dos 18 projectos a decorrer, 11 são de investigação: cinco e seis nacionais. Do total, quatro são financiados pelo programa EEA Grants e três são projectos de capacitação científica ou de infraestrutura. O INESC TEC participa ainda em três redes de colaboração da área, europeias ou nacionais.

Seis projectos nacionais:

‒ TURTLE: primeira plataforma robótica submarina de águas profundas em Portugal;
‒ CORAL: sensores para exploração de recursos no mar profundo e sub-fundo do mar);
‒ My Tag: monitorização e seguimento de solhas no oceano;
‒ 3Port: gestão de processos portuários de forma integrada;
‒ SCAN: sistemas de calibração para aquacultura;
‒ MareCom: solução alternativa ao satélite e às tecnologias rádio VHF para as comunicações em alto mar.

Cinco projectos europeus:

‒ iVAMOS! :exploração subaquática de minas terrestres;
‒ UNEXMIN: robôs autónomos para exploração de minas inundadas;
‒ SUNNY : robôs para melhorar a eficácia da segurança nas fronteiras europeias;
‒ ICARUS: robôs que dão apoio em acções de busca e salvamento em caso de grandes catástrofes;
‒ CINMarS: identificar oportunidades de negócio na área do Mar, capazes de explorar tecnologias espaciais, bem como desenvolver acções que potenciem a colaboração e sinergias tecnológicas entre as duas áreas – Mar e Espaço;

Quatro projectos financiados pelo programa EEA Grants:

– BLUECOM+: para aceder à Internet a mais de 100 km da costa;
‒ MarinEye: protótipo para monitorização oceânica;
‒ ENDURE: mobilização de plataformas robóticas por longos períodos de tempo em localizações oceânicas remotas;
‒ SeaBioData: gestão de dados sobre biodiversidade na montanhas submarinas em Portugal.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado