Cobalto extraído por crianças em dispositivos de vários fabricantes

Novo relatório da Amnistia Internacional acusa Apple, Samsung e Microsoft, entre 16 multinacionais.

children_sorting_and_crushing_cobalt_ore_in_the_neighbourhood_of_kasulo__kolwezi__drc-100638675-origGrandes empresas fornecedoras de dispositivos electrónicos, como a Apple e a Samsung, foram acusadas pela Amnistia Internacional de não fiscalizarem devidamente, a proveniência do cobalto usado na baterias de lítio daqueles equipamentos. Muitos deles usam minério extraído por crianças, diz a instituição.

O relatório da entidade e da descobriu que negociantes compram a matéria-prima em áreas onde o trabalho infantil é abundante e vendem-no a uma empresa chinesa.

O cobalto chega às empresas de tecnologia num processo complicado, envolvendo uma série de intermediários. A Congo Dongfang Mining e a sua empresa mãe, a Zhejiang Huayou Cobalt, processam o cobalto vendido a três fabricantes de componentes da bateria na Coreia do Sul e na China.

E estas vendem depois a fabricantes de baterias fornecedoras de empresas como a Apple, Microsoft, Samsung, Sony, Daimler e Volkswagen.

Mais de metade da oferta mundial de cobalto vem da República Democrática do Congo (RDC), e o governo local estima que 20% do minério actualmente exportado vem de minas artesanais no sul do país. Nelas trabalham  crianças até com sete anos de idade usando as mãos e ferramentas básicas, de acordo com o relatório.

A exposição crónica à poeira contendo cobalto pode resultar numa doença pulmonar potencialmente fatal, entre outras, diz o mesmo. O relatório culpa o país mas também as várias partes da cadeia de abastecimento, afirmando que a promessa de tolerância zero face ao trabalho infantil não faz sentido se não houver investigação sobre os fornecedores.

Numa carta de resposta à entidade, a Apple diz estar a desenvolver esforços para mudar a situação, mas considera-se incapaz de o fazer sozinha, face aos desafios inerentes à cadeia de abastecimento.

A Samsung alega ser muito difícil discernir a origem do material.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado