Grupo Luz Saúde quer aprofundar capacidade de BI

Num projecto gerido com a Gstep, o grupo procura criar uma mais valia no funcionamento de cada unidade hospitalar no quadro da analítica de dados.

David Vieira _grupo Luz Saude

David Vieira, da direcção de SI do Grupo Luz Saude

 

O grupo Luz Saúde está a adoptar um nova plataforma de BI, baseada em tecnologia Oracle e implantada pela Gstep. “Já existiam projectos de BI,nomeadamente com recurso a tecnologia Oracle, no entanto, surgiu a necessidade de dar um passo em frente e evoluir para algo que, no futuro, permitisse dar uma resposta global dentro do grupo Luz Saúde, criando uma mais-valia no funcionamento de cada unidade hospitalar”, justifica  David Vieira, da direcção de sistemas e tecnologias de informação do grupo Luz Saúde.

Baseada na plataforma Oracle Business Intelligence Enterprise Edition 11g, a solução foi implantada para o grupo obter uma maior capacidade e rapidez de análise construtiva da informação. Outros resultados esperados são a resposta eficiente a necessidades contratuais e de auditorias aos múltiplos serviços.

A plataforma deverá permitir a consolidação e garantia de qualidade no apoio à tomada de decisão com base numa estrutura analítica como ponto único de verdade, fundada na integração de dados de sistemas fonte distintos existentes nos hospitais.

Terá de garantir também a possibilidade de evolução constante tanto no suporte tecnológico, como na diversificação da exploração analítica noutras áreas da saúde.

Com cerca de 30 utilizadores frequentes, esta solução da Gstep “não foi simples de implantar”, reconhece este integrador num comunicado .

A solução está  assente em duas máquinas:

‒ Exadata para as componentes de bases de dados, extracção, transformação e carregamento da informação;
‒ Exalytics para os componentes de analítica e in-memory.

Com cerca de 30 utilizadores frequentes, esta solução da Gstep “não foi simples de implantar”, reconhece este integrador num comunicado . “A implantação foi dura, também pela exigência da abertura do Hospital Beatriz  ngelo, em 2012”, confirma David Vieira.

Segundo o mesmo o projecto tem agora uma duração de cerca de quatro anos. “Encontra-se em fase de manutenção e evolução, com a introdução de novas áreas, tendo registado um máximo de 14 elementos em simultâneo na equipa [de implantação], que actualmente é composta por nove pessoas, entre as quais seis elementos da Gstep», revela o responsável.

Mais números sobre o projecto:

‒ 900 mapeamentos Oracle Warehouse Builder
‒ 400 relatórios disponibilizados
‒ três relatórios de suporte ao Contrato de Gestão com a Administração Regional De Saude De Lisboa e Vale Do Tejo (ARSLVT)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado