LISA Pathfinder deverá ser lançada em Dezembro

Critical Software envolvida em testes aos sistemas críticos da missão espacial.

LISA_Pathfinder_ESA

A missão espacial da ESA e da NASA tem lançamento previsto para 2 de Dezembro. A Critical Software participou no projecto, focada nos sistemas críticos de controlo.

O trabalho realizado pela empresa ligou-se à implantação “de testes nas mais recentes mudanças introduzidas nos subsistemas de propulsão”, explica um comunicado. Procurou assegurar que aqueles se mantivessem “totalmente compatíveis” com os outros sistemas operacionais do satélite e em conformidade com as rigorosas exigências de posicionamento da missão.

“Trabalhámos com as mais recentes tecnologias de ponta, que são de uma precisão extrema, e que irão possibilitar descobertas científicas verdadeiramente inovadoras, permitindo-nos compreender melhor as propriedades do universo. A contribuição da Critical para esta missão exigiu-nos elevados níveis de abstracção, levando-nos a pensar não apenas no software do satélite mas também nos seus sistemas de alto nível, exigindo que trabalhássemos em estreita colaboração com os nossos parceiros para corrigirmos e melhorarmos o design das funcionalidades,” explica Nuno Silva, gestor técnico do projecto da empresa.

A LISA Pathfinder tem como objectivo testar em órbita as mais recentes inovações tecnológicas, permitindo a detecção e a análise detalhada das ondas gravitacionais no espaço. A missão irá tentar controlar o posicionamento de duas pequenas massas de ouro e platina, que serão colocadas em queda livre gravitacional quase perfeita, levitando dentro de uma nave espacial que irá estar na órbita da Terra a cerca de 1,5 milhões de quilómetros de distância.

Outro desiderato é a preparação e a capacitação de futuros projectos e missões que permitirão aos cientistas expandir a sua compreensão do universo e testar as principais previsões efectuadas sobre a essência da física. Prevê-se que esta missão dure entre seis a 12 meses, possibilitando à comunidade espacial viabilizar a missão LISA de modo a que esta possa dar origem ao maior “interferómetro” espacial de sempre.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado