Cuidados a ter com smartphones em férias

Sophos divulga lista de conselhos para uma boa utilização dos dispositivos móveis no Verão.

Sophos

A empresa de soluções de segurança Sophos revelou uma lista sobre cuidados a ter com os smartphones Android no período de férias, por forma a diminuir o impacto em caso de roubo ou perda.

“Com a chegada do Verão, as viagens e a troca de rotinas, o risco de perda ou de roubo de telemóveis aumenta de forma exponencial”, lembra em comunicado Óscar López, Sales Engineer da Sophos Iberia, aumentando o “risco devido à quantidade de informação que o [smartphone] armazena, tanto a nível pessoal como profissional”.

Eis a lista de conselhos, segundo a Sophos:
bloqueio do ecrã: no caso de perda ou roubo, esta é uma boa medida para salvaguardar os dados e evitar o uso imediato e indiscriminado de quem se quer aproveitar desta situação. É possível configurar esta funcionalidade para que se active no momento em que desliga o ecrã, impedindo o acesso ao equipamento sem uma password ou um PIN. Variando de dispositivo para dispositivo, é possível escolher entre cinco bloqueios: PIN, password, padrão desenhado na tela, reconhecimento facial e leitor de impressão digital;

bloqueio do cartão SIM: bloquear o SIM com um PIN de quatro números impede que o cartão seja usado noutro telefone, evitando prováveis sustos na factura e também que que se possa anular o bloqueio do ecrã com um “hard reset” (processo em que se coloca o telefone nas configurações de fábrica), sempre que o combinado com uma password do ecrã;

aplicações para localizar o smartphone e/ou apagar os conteúdos: existem várias aplicações que permitem localizar um dispositivo ou apagar os seus dados à distância. Mesmo assim, o próprio Android e a Google oferecem em todos os dispositivos um sistema menos sofisticado mas que permite a localização do dispositivo num mapa, a eliminação dos dados ou o “reset” das definições de fábrica à distância;

cloud como cópia de segurança: todos os dispositivos Android têm a possibilidade de armazenar a informação na cloud. É, por exemplo, possível configurar a agenda dos contactos para que o dispositivo utilize sempre os dados armazenados no Google. Também se podem fazer “backups” do calendário, das fotos e vídeos com o Google+, cópias de segurança de documentos no Google Drive, e do correio electrónico, das conversações do WhatsApp ou das configurações de aplicações. Pode proteger tudo caso perca o equipamento, de forma a depois recuperar tudo imediatamente utilizando outro equipamento com a mesma conta. Esta prática é sempre recomendada quando a informação armazenada na cloud não é sensível. Caso se trate de informação profissional, deverá ter em conta as políticas da empresa;

saber o IMEI: é uma medida recomendável para qualquer telefone móvel, e não só para os equipamentos Android. Trata-se de um número com 15 dígitos que identifica cada um dos dispositivos existentes e será solicitado pela polícia caso denuncie um roubo. Embora seja pouco provável a recuperação do dispositivo, serve para confirmar o dono desse equipamento. O número normalmente vem na embalagem original do telefone, mas também se pode encontrá-lo debaixo da bateria ou clicando na sequência *#06# e tecla de chamada de qualquer terminal;

passwords para limitar acesso às aplicações: algumas aplicações oferecem a possibilidade de ter um maior nível de segurança, permitindo configurar um acesso com password. É também possível utilizar aplicações que se encarregam de esconder o conteúdo que se quer manter a salvo dos intrusos;

emprestar o equipamento ou partilhar passwords: não é estranho ver empréstimos de telemóveis, sobretudo entre os mais jovens, que chegam a partilhar as senhas para aceder aos espaços privados do seu telemóvel, o que é algo a evitar a todo o custo. Se não tem outra solução além do empréstimo do telemóvel, deve sempre fazer empréstimos por pouco tempo, e sob a sua supervisão. Deve depois trocar as passwords;

codificar o conteúdo do dispositivo: uma das melhores opções para evitar que a informação do dispositivo seja utilizada por terceiros é codificá-la. Existem soluções no mercado que fazem isto de uma forma simples e sistemática, com um simples ‘Guardar como”;

avisar a operadora de telecomunicações: as zonas movimentadas são os espaços preferidos pelos profissionais dos assaltos. Se for vítima de roubo, deve ligar o quanto antes para a sua operadora ou visitar uma das suas lojas para anular o cartão e pedir uma segunda via;

usar software anti-malware: deve usar um software anti-malware de forma preventiva e com uma instalação actualizada. A Sophos é uma das várias empresas de segurança que possui uma app gratuita para dispositivos Android.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado