CMU tem novas equipas para impulsionar nos EUA

A entidade escolheu quarto equipas, Adapttech, Playsketch, Sceelix e Scraim, para a segunda edição do inRes.

CMU_Hamerschlag_Hall-CMU_Wikimedia-Commons

Esta semana começam a preparar-se para a 2ª edição do inRes, as quatro mais recentes equipas de empreendedores escolhidas pelo Programa Carnegie Mellon Portugal (CMU Portugal) para a iniciativa: Adapttech, Playsketch, Sceelix e Scraim. A primeira fase incide na melhoria de produtos/serviços e conceitos de negócio, e no desenvolvimento de um plano para a imersão de dois meses em ambiente de empreendedorismo nos Estados Unidos.

O evento de lançamento tem lugar na próxima quinta-feira no INESC TEC (Porto). Segundo João Claro, director nacional do Programa CMU Portugal e coordenador do inRes, o processo de seleção foi, mais uma vez, um grande desafio.

“As quatro equipas desta edição têm projectos inovadores na área das TIC com elevado potencial de comercialização”, comenta.  Todas as equipas, de acordo com o docente, estão numa fase de desenvolvimento que lhes permitirá beneficiar de um dos eixos fundamentais do inRes.

Claro refere-se ao aperfeiçoamento e validação iterativa de conceitos de produto e dos modelos de negócio, através de sucessivos contactos com potenciais utilizadores, compradores, ou parceiros. O processo funda-se em princípios da abordagem Lean Launchpad, desenvolvida por Steve Blank, empreendedor e professor norte-americano, que se tem vindo a afirmar como um novo paradigma para olançamento de novos negócios, explica um comunicado.

À semelhança da edição de 2014 – que levou as equipas da AddVolt, Displr, Followprice e Xhockware aos Estados Unidos –, a edição de 2015 do inRes inclui um período de formação intensivo em Portugal (quatro workshops), seguido de dois meses de imersão em Pittsburgh e na Carnegie Mellon University (CMU), nos EUA. Aí, as equipas vão ter a oportunidade de ter o seu espaço de trabalho num acelerador de negócios, o Projecto Olympus.

Este ano o inRes conta com o apoio da Caixa Capital, que permitirá a atribuição de um investimento de 50 mil euros a um projecto integrante da edição de 2015, que poderá ainda aceder ao investimento adicional de 100 mil euros, a ser atribuído no âmbito do “Caixa Empreender Award”.

As equipas ou startups seleccionadas:

‒ Adapttech: incubada no UPTEC, desenvolve tecnologias relacionadas com a área da saúde, para ajudar pessoas com limitações físicas a viver com maior conforto e a melhorar a sua qualidade de vida;

‒ Playsketch: startup de Coimbra que desenvolveu uma aplicação capaz de permitir aos utilizadores criar jogos a partir de desenhos;

‒ Sceelix :o seu software permite criar cenários e elementos digitais em 3D de uma forma simples e inteligente;

‒ Scraim: nome da equipa da Strongstep, incubada no UPTEC, e de uma ferramenta online de gestão de projectos, que a empresa propõe, classificando-a como multiplataforma SaaS completa e de fácil utilização.

De uma forma transversal, as quatro equipas selecionadas procuram no inRes a oportunidade de conhecer de perto o mercado norte-americano. À semelhança da primeira edição, estão envolvidos no inRes vários especialistas internacionais, nomeadamente Tara Branstad e Reed McManigle, do Centro para a Transferência de Tecnologia e Criação de Empresas (CTTEC) da CMU, Dave Mawhinney, codiretor do Centro de Inovação e Empreendedorismo da CMU e director do i6 Agile Innovation System, Kit Needham, do Projecto Olympus, Suzi Pegg, vice-presidente de marketing global da Pittsburgh Regional Alliance, e também João Claro.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado