Redes sociais: o comboio já partiu

Há organizações nacionais que encaram os media sociais como um departamento tão importante como qualquer outro. A razão explicada por Ricardo Ferreira, Product Manager da ferramenta Magnet, na Clevernet.

Ricardo Ferreira - ClevernetAinda é notório em muitos sectores de actividade a noção de que a empresa tem que ter página de Facebook, comummente por pouco mais que a justificação de que o concorrente também tem. Esta presença social é portanto encarada sem grande seriedade, onde o importante é ir alimentando a página, com conteúdos minimamente pertinentes, enquanto se (des)espera ansiosamente pelo aumento do número de fãs.

A gestão de uma página Facebook não é uma brincadeira, e até pode ter efeitos nefastos para a imagem de uma empresa, como aconteceu nalguns casos de grandes empresas nacionais que se aventuraram por este mundo sem uma estratégia bem delineada.

Desengane-se também quem pensa que as páginas de Facebook apenas servem para empresas que vendam produtos associados a marcas ou individualidades: bastiões que importa promover exaustivamente porque, dizem os gurus do marketing, é a memória do consumidor que compra.

Felizmente, houve quem estivesse na estação a horas.

Começam a existir no nosso país empresas que encaram o Facebook (ou o Social Media na generalidade) como um departamento tão importante como qualquer outro no seio da sua organização: a sua página é uma loja para o mundo, é um centro de suporte ao cliente, é a montra onde primeiro se levanta o véu sobre novos produtos. Um meio de comunicação por excelência.

Conhecem profundamente a sua página (aplicam técnicas de análise semântica ao conteúdo escrito, sabem quais os tópicos mais falados, sabem a que horas devem publicar para efeito máximo, monitorizam publicações em tempo real, esforçam-se por conhecer quem os lê para uma política de user “targeting” mais eficaz), criam conteúdos exclusivos para este meio e mantêm a concorrência debaixo de olho, sabendo de cor qual a sua estratégia de presença na rede.

Bem gerida, a presença de uma marca numa rede social é a melhor (e menos onerosa!) forma de promover o seu produto. Crie relações empáticas com os seus fãs, interaja com eles diariamente, ofereça-lhes prémios, mostre-lhes quem está por detrás do ecrã, e verá o retorno desse investimento muito mais rapidamente do que imagina.

Finalmente, não nos esqueçamos que estamos a falar de informação, bem precioso na era em que vivemos. A eficiente recolha e tratamento de dados provenientes de redes sociais é uma excelente e muito bem vinda fonte de informação para outros sistemas das organizações (já ouviu falar de Big Data?), estando mesmo a impulsionar o desenvolvimento de novos sistemas (Social CRM, Social Media Intelligence Platforms, entre outros).

Vá até à estação mais próxima. Não perca o próximo comboio.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado