IBM apresenta soluções de segurança bancárias

Subsidiária diz-se “sozinha” na venda das soluções de segurança para a banca online mas ainda não tem qualquer cliente.

Cloud Computing, Funny Devices And Cloud Design

A IBM Portugal apresentou aos representantes do sistema financeiro, maioritariamente quadros da área de segurança e risco e de gestão do canal electrónico, as suas soluções nesta área e o primeiro caso de estudo e de sucesso (o galelo ABANCA), na conferência “Regulação do Banco Central Europeu para a Segurança Online”, realizada na semana passada.

Armada pela aquisição em Setembro de 2013 da Trusteer, uma empresa israelita da área de cibersegurança que trabalha exclusivamente na cloud, o objectivo foi o de antecipar-se à concorrência e posicionar-se como o parceiro privilegiado para ajudar os bancos a responder ao desafio de melhorar os sistemas e os processos de segurança online colocados pelo Banco Central Europeu (BCE).

“A IBM está atenta aos requisitos-chave necessários para uma efectiva e sustentável segurança bancária online, em linha com as recomendações do BCE, e pode ajudar a cumprir atempadamente, e dentro do orçamento, estes requisitos, minimizando os custos operacionais, a gestão e a complexidade de implementação”, afirmou o gestor de produto Trusteer da área de segurança da Divisão de Software da IBM em Portugal.

Rui Barata Ribeiro adiantou que a IBM não tem qualquer cliente nacional com soluções de segurança da Trusteer e que a comercialização destas soluções não envolverá parceiros de negócio.

Para “ajudar os bancos”, a IBM apresentou as soluções da Trusteer adaptadas às novas resoluções do BCE, designadamente no que se refere à avaliação, mitigação e controlo do risco, autenticação forte, monitorização de transações e disponibilização de um ambiente seguro de transacção. O responsável posicionou a unidade como um fornecedor de soluções que gerem e controlam a rede/canal entre clientes e bancos.

Segundo Javier Jarava, Trusteer CTP SPGI, a oferta de soluções da empresa responde a sete das 14 recomendações do BCE: “risk assessment (R2), risk control and mitigation (R4), strong customer authentication (R7), enrolment for and provision of authentication tools and/or software delivered to the customer (R8), log-in attempts, session time out, validity of authentication (R9), transaction monitoring (R10), customer education and communication (R12)”.

O foco da oferta está na detecção relacionada com os desafios do malware e da criminalidade, como a fraude, e ainda na mobilidade e no “report”. O responsável informou ainda que a Trusteer “é o líder mundial de prevenção de fraude em canais de ebanking, protegendo transacções realizadas em mais de 100 milhões de equipamentos”. E “está presente em sete dos 10 maiores bancos dos EUA, em nove dos 10 maiores britânicos, em quatro dos cinco maiores no Canadá, nos principais bancos da União Europeia e da Suíça”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado