EUA usam estações-base falsas para espiar

As denominadas “dirtboxes”, usadas para localizar criminosos, são colocadas em aviões e recolhem dados de chamadas móveis captadas.

Cessna172-Catalina

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está a colocar dispositivos que simulam estações-base em aviões Cessna para monitorizar a localização de telemóveis e smartphones. As aeronaves voam por todo o país e as operações têm como alvo suspeitos de crimes.

Apesar disso afectam milhares de cidadãos norte-americanos, de acordo com o Wall Street Journal. O programa gerido pelo US Marshals Service está em curso desde pelo menos 2007, segundo duas fontes não identificadas.

Os aviões voam desde pelo menos cinco aeroportos de áreas metropolitanas e podem cobrir a maior parte da população dos EUA. Dispositivos de comunicações móveis, como telemóveis e smartphones, são programados para se ligarem a qualquer estação-base nas suas proximidades com o sinal mais forte.

As falsas, ou as denominadas “dirtboxes”, enganam esses equipamentos, simulando ter o sinal mais forte, obtendo em seguida,os números de registo único dos dispositivos quando estes se ligam, explica o artigo. No processo de localizar equipamentos ligados a pessoas sob investigação por crimes como venda de drogas, as operações recolhem dados sobre outros indivíduos.

O Departamento de Justiça dos EUA não confirmou a existência das operações.

Contudo, as estações-base determinam quais os dispositivos a monitorizar e deixam de controlar os outros. Em declarações para o jornal,um representante da American Civil Liberties Union, classificou as operações como um indesculpável “programa de vigilância por arrastão”.

Um funcionário do Departamento de Justiça não quis confirmar ou negar o programa, mas disse que as agências do Departamento de Justiça “cumprir a lei federal, inclusive, buscando a aprovação do tribunal”, disse o jornal. Um efeito colateral é que as torres podem às vezes causar quedas de chamadas e as autoridades estão a tentar eliminar essas ocorrências com desenvolvimentos de software.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado