Grandes empresas no apoio à Wi-FAR

A norma para comunicações sem fio, 802.22, aprovada em 2011, promete levar acesso por banda banda larga a áreas mais remotas.

Wi-FAR_WSAA Google, a Microsoft e o Facebook estão a fornecer apoios para a utilização da tecnologia de comunicação sem fios emergente, conhecida como Wi-FAR. Sem esquecer os benefícios que poderão obter, o suporte das empresas ajudará a reduzir o fosso digital em regiões remotas e sem acesso à Internet.

A Wi-FAR é um nome recentemente registado como marca da organização sem fins lucrativos, WhiteSpace Alliance (WSA), e referente à norma de comunicações sem fio, 802,22, pelo IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), em 2011.

A tecnologia nela baseada aproveita as bandas de espectro sub-utilizadas para TV, denominado espeçao branco, para enviar os sinais sem fios, geralmente a distâncias de seis a 18 quilómetros, em áreas rurais e remotas. Possibilita uma velocidade teórica de download acima dos 22 Mbps, por canal de televisão, capaz de servir 512 dispositivos, segundo a WSA.

Isso pode resultar em velocidades de cerca de 1,5 Mbps por ligação. Embora essas velocidades sejam muito mais lentas do que as dos serviços de cabo de fibra óptica (gigabit), podem competir com alguns serviços de 3G.

O Wi-FAR será mais barato no acesso à Internet do que os serviços por LTE e outros. O custo mais baixo deve-se em parte porque o Wi-FAR funciona através de espectro não licenciado, similar ao Wi-Fi.

Graças a bases de dados sofisticadas que monitorizam quando um canal de espaço em branco está em uso numa determinada região, um dispositivo de rádio cognitivo (ou inteligente) pode determinar quando é necessário mudar para outro canal que não está em uso.

Isso permite que aos fornecedores de rede, e até mesmo entidades governamentais, evitarem o pagamento de taxas de licenciamento ou a necessidade de implantarem tantas torres transmissão caras, que podem custar 50 mil dólares cada, diz Apurva Mody, chairman tanto da WSA como do 802.22 Working Group. “Os preços para o serviço de Wi-FAR serão muito baixos, talvez menos 10 dólares por mês para cada família”, prevê.

A tecnologia de 802.22 pode ser de baixo custo, também porque o espectro de espaço em branco é partilhado com os utilizadores convencionais, incluindo as estações de TV em UHF e VHF. Graças a bases de dados sofisticadas, que monitorizam quando um canal de espaço em branco está em uso numa determinada região, um dispositivo de rádio cognitivo (ou inteligente) pode determinar quando é necessário mudar para outro canal que não está em uso.

Testes em vários projectos-piloto de Wi-FAR, em muitos países de África, procuram assegurar que os dispositivos Wi-FAR não interferiram com outros utilizadores existentes no mesmo canal.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado