Quatro anos depois, Universidade das Nações Unidas em Guimarães

Unidade operacional visa o ensino e a investigação sobre governação electrónica (e-Gov).

UNUA Universidade das Nações Unidas (UNU) vai instalar num pólo da Universidade do Minho em Guimarães uma “unidade operacional para o ensino e investigação no domínio da governação eletrónica”, segundo um acordo oficializado hoje em Lisboa, com a presença do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, do reitor da UNU, David Malone, e dos ministros do Desenvolvimento Regional, Poiares Maduro, e da Educação e Ciência, Nuno Crato, entre outros.

A primeira e, até agora, única delegação da UNU em Portugal “vai ser responsável pela formação de altos dirigentes de todo o mundo em governação eletrónica, com um corpo de docentes repartido” entre a Universidade do Minho e a UNU, segundo comunicado.

“Trata-se de uma instituição muito importante para a região, pela qualidade de investigação que vai trazer a Guimarães, constituindo também um grande contributo para a dimensão e internacionalização da Universidade do Minho”, referiu António Cunha, reitor desta universidade.

O acordo assinado esta sexta-feira culmina negociações que decorriam há, pelo menos, quatro anos. Responsáveis da Universidade do Minho, da cidade de Guimarães e da própria UNU encontraram-se em Outubro de 2010 tendo em vista a abertura de um pólo deste tipo.

O seu arranque efectivo deve ocorrer em Setembro e terá financiamento de um milhão de dólares ao ano, durante cinco anos, suportados no Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).

Portugal tem uma ligação desde 1989 com a UNU, através da criação do International Institute for Software Technology (UNU-IIST), inaugurado em 1992. O e-Gov para o desenvolvimento sustentável é precisamente um dos focos de investigação neste instituto.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado