Microsoft posiciona tablet Surface Pro 3 como substituto do PC

Os compradores vão obter o melhor dos dois mundos, de acordo com a Microsoft.

Surface Pro 3 - Agam Shah_IDGNSA última versão do tablet da Microsoft, o Surface Pro 3, elimina a necessidade de os utilizadores também terem um computador, afirmou a empresa esta terça-feira no evento de lançamento.

“Hoje, vamos acabar com esse conflito”, disse Panos Panay, vice-presidente corporativo da Microsoft que lidera a equipa dos Surface. “Este é o tablet que pode substituir o seu laptop”.

O Surface Pro 3 é maior do que o seu antecessor, o Surface Pro 2, com um ecrã de 12 polegadas e resolução de 2160 por 1440 pixéis.

Com um processador Intel Core i7, é mais rápido do que o Surface Pro 2 de 10,6 polegadas, mas também mais leve e fino, segundo Panay. Pesa 800 gramas, mais leve que o MacBook Air.

Os potenciais compradores podem encomendar o tablet já esta quarta-feira no site e lojas da Microsoft, com preços a partir dos 799 dólares. Ficará depois disponível noutras lojas a partir 20 de Junho nos EUA e Canadá e noutros países em Agosto, segundo a empresa.

Como os Surface Pro anteriores, o Pro 3 pode ser utilizado como um PC. Por exemplo, a próxima versão do Adobe Photoshop CC foi optimizado para o toque e uso de caneta no Surface Pro 3.

A Microsoft espera que a terceira vaga de tablets Surface permita a pausa de que necessita para recuperar o atraso com a Apple e os fabricantes de dispositivos Android.

A Microsoft diz continuar empenhada nos tablets, embora o seu negócio dos Surface tenha perdido milhões de dólares.

Após anos de crescimento sustentado, as encomendas de tablets também estão a abrandar. As vendas mundiais de tablets no primeiro trimestre do ano totalizaram 50,4 milhões de unidades, um crescimento de 3,9% em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, segundo a IDC. Os Surface obtiveram apenas uma quota de 1,3% durante esse período, com todos os tablets Windows combinados a conseguirem uma quota de 4,5%. A IDC prevê que a quota de mercado dos tablets Windows possa alcançar os 10,2% em 2017.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado