Funcionários da Mozilla pedem demissão de novo CEO

Campanha no Twitter pede que Brendan Eich se demita devido a doação política em 2008 contra o casamento homossexual na Califórnia.

Twitter Kat BraybrookeVários funcionários da Mozilla foram ontem para o Twitter a pedir a renúncia do seu novo CEO, Branden Eich, por apoiar uma proposta na Califórnia há mais de cinco anos.

A Proposition 8, que foi aprovada pelos eleitores em Novembro de 2008, alterou a constituição do estado da Califórnia para proibir os casamentos do mesmo sexo. Mais tarde, foi declarada inconstitucional por um tribunal federal. Em 2013, o Supremo Tribunal dos EUA decidiu que os autores da proposta não tinham legitimidade, o que permitiu suportar a decisão do tribunal de primeira instância.

De acordo com registos de contribuições no site da Secretaria de Estado da Califórnia, Eich – que foi nomeado CEO da Mozilla no início desta semana – doou 1.000 dólares em Outubro de 2008 para o ProtectMarriage.com, um conjunto de grupos de activistas políticos conservadores e religiosos. No total, o ProtectMarriage.com obteve 40 milhões de dólares para apoiar a proposta de votação.

Na quinta-feira e num espaço de 15 minutos, vários funcionários da Mozilla usaram o Twitter para fazerem anúncios similares, pedindo a Eich para renunciar.

“Como muitos da equipa @Mozilla, tomo uma posição. Não apoio a nomeação pelo Conselho de @BrendanEich como CEO”, tuítou Kat Braybrooke, responsável de co-design na empresa. “Sou um empregado da @mozilla e peço a @BrendanEich para se demitir de CEO”, escreveu John Bevan, que trabalha nas parcerias da Mozilla.

Eich era director de tecnologia da Mozilla, nessa altura, cargo que ocupou até à sua promoção na segunda-feira a CEO.

A Mozilla não respondeu a um pedido de comentário sobre os pedidos de demissão no Twitter, mas no seu blogue pessoal, na quarta-feira, Eich enunciou o seu plano para assegurar a igualdade no local de trabalho e a diversidade na comunidade Mozilla.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado