Cisco tenciona investir mil milhões em cloud computing

O plano inclui uma rede mundial de plataformas de cloud computing baseada em tecnologia OpenStack, geridas com parceiros. O fabricante espera, dessa forma, contornar os efeitos das revelações sobre a vigilância da NSA.

cloud computingA Cisco Systems planeia investir mais de mil milhões de dólares para expandir os seus negócios em cloud computing, nos próximos dois anos. O plano inclui a implantação de plataformas de cloud computing baseada em tecnologia OpenStack com os parceiros.

Os componentes chave dessa matriz serão os Cisco Cloud Services e o que a gigante dos routers e switches está a promover como a Intercloud: esta será disponibilizada através de uma rede global de centros de dados da Cisco e de parceiros, anunciou a empresa na segunda-feira.

O Intercloud terá como base a plataforma OpenStack, cada vez mais popular. Será concebida para suportar qualquer volume de trabalho, usando em qualquer hipervisor e funcionar em interoperacionalidade com outra cloud nuvem, tanto privada como pública, de acordo com a Cisco.

Ao desenvolver a sua estratégia com parceiros locais, em vez de se posicionar só no mercado, a oferta da Cisco poderá estar melhor colocada para enfrentar crescentes preocupações sobre a protecção a da privacidade dos dados ‒ espera o fabricante. As revelações sobre a operações de vigilância da National Security Agency (NSA) tornaram-se um argumento de vendas para os fornecedores locais de cloud computing em toda a Europa.

Isso acontece sobretudo face a empresas norte-americanas, como a Amazon Web Services e a Microsoft. Segundo o fabricante, o tamanho da Intercloud a coloca como adequada para aplicações baseadas em comunicações máquina a máquina (M2M) e a chamada Internet das coisas (ou como diz a Cisco, “Internet of Everything”).

Mas concretizar todo plano será um enorme desafio para a Cisco. A empresa chega tarde ao mercado e terá de competir com os muitos fornecedores de cloud computing pública: Amazon, Microsoft , Google e Rackspace, por exemplo. Mas também terá de competir com os fabricantes de infra-estrutura interessados em que os operadores desenvolvam uma infra-estrutura baseada nos seus produtos.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado