Linux Foundation desafia Internet das coisas proprietária

A organização acredita ter o software necessário para criar um verdadeiro efeito de rede de múltiplos sensores interligados.

Internet das coisas_abstracto_morguefile

O único limite para a Internet das coisas não será a imaginação ou a tecnologia. São os fabricantes. Essa é e pelo menos a ideia da Linux Foundation. Sem a interoperacionalidade, os dispositivos de consumo, aparelhos electrónicos e computadores de vestir equipados com sensores não se vão conseguir reconhecer uns aos outros e comunicar.

Na visão da organização não existe um fornecedor do sector do consumo suficientemente grande para forçar a interoperacionalidade necessária. Mas há fabricantes com capacidade para impedi-la ao desenvolverem uma Internet das coisas centrada nos seus produtos.

No cenário desta potencial desconexão electrónica o segmento de tecnologia open source posiciona-se, como proponente do método, do processo e da influência para conduzir a indústria electrónica a uma verdadeira interoperacionalidade. Será mesmo assim?

Dentro de cerca de 12 meses haverá uma ideia mais clara ‒ na Consumer Electronics Show ( CES) 2015, em Janeiro próximo ‒ se as iniciativas por parte da Linux Foundation atingirem os seus objectivos. Em Dezembro passado, a organização criou a .

Adoptou um conjunto de software desenvolvido pela Qualcomm, denominado AllJoyn Framewoprk, e colocou-o sob sua gestão como tecnologia open-source. O código em C + + suporta os principais sistemas operativos, variantes embutidas e vários chipsets.

Qualquer fabricante de electrónica ou de electrodomésticos, ou mesmo um fabricante de lâmpadas LED que utilize o código do AllJoyn terá uma base de conectividade, com outro produto suportado no mesmo código. Para a CES 2015 é possível prever, se tudo correr como a Linux Foundation espera, marcas em vários produtos electrónicos que indicam a utilização do AllSeen. Jim Zemlin , director executivo da Linux Foundation, acredita na adopção da AllSeen por vários fornecedores .

Para aqueles interessados em assegurar a conectividade nos seus produtos, a questão é simples: um fabricante de electrodomésticos quer produzir software para cada um dos produtos ou smartphones doe mercado,”ou preferem descarregar o código e colocá-lo no seu produto tendo garantias de que é cuidado?”

A disponibilidade desse código deverá produzir um efeito de rede e impulsionar a interoperacionalidade entre dispositivos, acredita Zemlin. “Veremos uma série de produtos este ano já com este código”, prevê.

A AllSeen Alliance foi lançada com grande apoio de vários fabricantes, incluindo a LG Electronics, a Panasonic, a Sharp , a Qualcomm, a AT & T Digital Life e outros. Contudo Rob Enderle, analista do Enderle Group, considera estar a faltar ainda, ao esforço da Fundação Linux, o apoio de grandes fabricantes com a Samsung e a Apple.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado