Merkel e Hollande querem evitar os servidores de email dos EUA

Os emails dos europeus não devem precisar de atravessar o Atlântico, defende a chanceler alemã, Angela Merkel. Em discussão estará o conjunto de prestadores de serviços, em cujos serviços será necessário estabelecer maior segurança.

A chanceler alemã , Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande vão discutir esta semana como é que a Europa conseguirá manter o tráfego de email de europeus fora de servidores nos EUA.
Os dos governantes vão encontrar-se na próxima quarta-feira.

“Vamos conversar com a França sobre como podemos manter um grau elevado de protecção de dados. Acima de tudo, vamos discutir em que prestadores de serviço, temos de oferecer maior segurança aos cidadãos. Para os emails e outras coisas [conteúdos] não terem de atravessar o Atlântico, também podemos construir redes de comunicação dentro da Europa”, afirmou Merkel.

As negociações vêm na sequências das revelações sobre os programas de vigilância da National Security Agency (NSA). O organismo terá até espiado as comunicações da chanceler.

Entretanto, o promotor de justiça federal alemão está a equacionar se desencadeia uma investigação formal sobre a participação dos serviços secretos alemães nas operações da NSA. O governo alemão, incluindo Merkel, são alvo de uma queixa-crime apresentada por vários grupos de direitos humanos na Alemanha, por supostamente ajudar a NSA nos seus esforços de espionagem.

Merkel tenciona falar sobre questões de protecção de dados relacionadas com a Google. “Precisamos de fazer mais sobre a proteção de dados na Europa, isso é indiscutível”, disse ao comentar a possibilidade de uma  rede franco-germânica ou europeia de protecção de dados, conseguir mitigar os problemas de privacidade com grandes empresas de tecnologia.

Actualmente momento existem negociações para haver uma norma  de proteção de dados uniforme na Europa, disse Merkel. No entanto, essa norma não é fácil de negociar, porque alguns países têm uma protecção de dados menos rigorosa do que a Alemanha, acrescentou.

“E nós não queremos  a nossa protecção de dados enfraquecida “, disse Merkel. Por outro lado, se não houver na União Europeia um regime de protecção de dados abrangente, empresas como a Google e a Facebook podem implantar-se onde o nível de protecção de dados é menor, assinala a governante.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado