Maneiras infalíveis de estragar uma implementação de cloud

Desde migrar as aplicações erradas a entender o que é a governação, é fácil estragar as coisas na cloud, diz David Linthicum, da Infoworld.

Há projectos em cloud que falham e há outros que falham de forma épica. As causas podem geralmente ser identificadas até questões simples que podiam ser facilmente corrigidas. Infelizmente, histórias de sucesso na cloud não são tão comuns como deviam ser. Para ajudar a mudar esse balanço, aborde estas questões para aumentar as suas hipóteses de sucesso:

1. Não seleccione as aplicações erradas
Ao mover aplicações para a nuvem, tem que se considerar muitos factores. Olhe para a idade da aplicação, como foi concebida, como a base de dados está configurada, e até mesmo como ela interage com outras aplicações e bases de dados. Tudo isso vai influenciar o desempenho da aplicação na nuvem.

Encare os factos: nem todas as aplicações estão destinadas para a nuvem. Muitas poderão exigir uma grande reformulação e recodificação, que acrescentam riscos e custos. Em muitos casos, não é rentável fazê-lo. Muitas organizações tentam migrar de qualquer maneira, e falham. Não faça isso.

2. Evite a mistura de um prestador único
O mundo é multicloud. Um único fornecedor normalmente não proporcionará o resultado final desejado, que provavelmente será composto de um grupo de plataformas baseadas em nuvem. Embora a ideia de usar um único fornecedor seja certamente agradável, é improvável que um único forneça a solução mais económica ou até mesmo a mais eficaz.

Muitas empresas tentam encaixar pinos quadrados em buracos redondos, apenas para manter um fornecedor de que gostam. É um mundo complexo, e as implantações de nuvem requerem tipicamente muitos fornecedores de diferentes nuvens – portanto, afaste-se dessa mentalidade do “parceiro preferido”.

3. Faça a pergunta ou saiba a resposta para “o que é a governação na nuvem?”
Muitas empresas esquecem-se desta questão, pelo que ficam impossibilitadas de governar as suas nuvens de produção – e o resultado é o seu projecto de cloud falhar. O uso tanto de governação de serviços e de nível de recursos (plataformas de gestão de nuvem ou “cloud management platforms”, CMPs), é um requisito absoluto. Não interessa se tem uma nuvem pública ou uma implantação multicloud, certifique-se de que as CMPs fazem parte desse pacote.

Estes sistemas permitem automatizar as nuvens de produção em torno de segurança, provisionamento e escala, só para nomear alguns pontos. Sem estes sistemas, os processos tornam-se geridos pelas pessoas. Isso significa que, nalgum momento, coisas más vão acontecer.

Quando aprende sobre a cloud através dos falhanços dos outros, tente não ser os “outros”. É um objectivo mais fácil de atingir do que pode pensar, especialmente se tiver em conta estas três recomendações.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado