Bitcoin: presos na Alemanha e proibições na China

Dois hackers estão sob prisão por terem montado uma botnet para extracção da moeda, enquanto a China proibiu os bancos de negociarem o dinheiro digital.

A Bitcoin continua a desencadear uma série de acções e situações novas. Dois indivíduos foram presos na Alemanha, suspeitos de gerirem uma botnet para extraírem a moeda digital. E, na China, o banco central interditou às instituições financeiras a negociação sobre o dinheiro virtual.

No país europeu, os hackers terão usado computadores alheios para gerar Bitcoins no valor de mais de 700 mil euros. Os suspeitos incluem um terceiro elemento que não foi preso, segundo a polícia alemã.

Alegadamente, eles assumiam o controlo de computadores domésticos com o malware difundido através da Internet, para roubar identidades digitais e gerar Bitcoins. O porta-voz da polícia recusou-se a dizer que malware estava envolvido, ou para que foram utilizadas as identidades digitais roubadas, alegando investigações em curso.

Medidas anti-branqueamento de capitais

“A Bitcoin é um tipo especial de produto virtual, e não tem o mesmo valor jurídico que uma moeda”, avisaram as autoridades chinesas, Banco do Povo da China e o ministério chinês que supervisiona o sector da tecnologia. “Não deve e não pode ser usado como moeda em circulação no mercado”, sublinharam.

Para controlar o uso da Bitcoin, a China vai implantar medidas anti-branqueamento de capitais nos sites de troca de moeda digital. Isso inclui obrigar os utilizadores a registarem-se com as suas identidades reais.

A China admite que o público use Bitcoins enquanto os indivíduos assumirem por sua conta o risco inerente.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado