Watson será plataforma de desenvolvimento em cloud

A IBM está a preparar o supercomputador com capacidades de inteligência artificial computação cognitiva, para oferecê-las com um serviço a fornecedores de software. E já está a trabalhar em aplicações com parceiros.

A IBM está a preparar o supercomputador Watson para este funcionar como plataforma de desenvolvimento de aplicações num ambiente de cloud computing. O objectivo da iniciativa é estimular o crescimento do número de aplicações concebidas para tirar partido dos recursos de inteligência artificial do sistema. O fabricante diz estar já a trabalhar com parceiros em  novas aplicações.

O Watson é resultado do projecto DeepQA, da IBM, e chamou a atenção sobre si, em 2011, ao derrotar vários adversários humanos, no concurso televisivo Jeopardy!. Depois disso, o fabricante revelou que as capacidades de aprendizagem do computador – ” computação cognitiva ” – têm sido aplicadas no sector da saúde.

Agora a empresa prepara-se para partilhar a plataforma com um universo mais vasto. “Nós temos vindo a desenvolver e a amadurecer a tecnologia”, disse Rob High, responsável da IBM com funções de CTO do Watson.

“Está estável e maduro o suficiente para suportar um ecossistema. Estamos convencidos de que há um potencial muito especial aqui e não devemos conter a sua evolução”.

O Watson percorreu ” um longo caminho ” desde o Jeopardy!, considera High. A IBM decidiu concentrar-se na área dos cuidados de saúde , inicialmente, devido às características  linguísticas “particularmente difíceis ” da indústria.

“Pensamos que se pudéssemos dominar isso, abriríamos a porta a outros domínios “, considerou. O Watson está também drasticamente mais pequeno.

O hardware para o Jeopardy! envolveu um sistema de 2900 núcleos, com 15TB de RAM. Mas agora, uma configuração básica tem entre 16 e 32 núcleos com 256 GB de memória RAM, de acordo com High.

E a IBM poderá encadear esses módulos de hardware, conforme necessário, para ganhar maior escala, acrescentou. Outras melhorias incluem o suporte para mais tipos de documentos, assim como a capacidade de reconhecer mais elementos dentro desses documentos – tais como tabelas neles incorporados.

O Watson também poderá ajustar a forma como ele responde às perguntas, revela o responsável.

(Chris Kanaracus , IDG News ServiceBoston)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado