Investigação torna mais fácil encontrar espectro para WiFi

Um trabalho sobre “espaços em branco” da Microsoft e investigadores chineses deverá resultar em maior facilidade de utilização, com tecnologia mais eficiente e mais barata.

Identificar e utilizar o “espaço branco” de espectro vago para WiFi deverá ser mais simples, mais eficiente e mais barato graças a um novo projecto promovido pela Microsoft e realizado por uma equipa de investigadores, a maior parte chineses: Ranveer Chandra, da Microsoft Research, e Xuhang Ying , Zhang Jincheng , Lichao Yan, Guanglin Zhang e Chen Minghau, da Universidade Chinesa de Hong Kong.

O projecto centrou-se especificamente na análise de “espaço branco” ¬– uma denominação canais VHF e UHF – em espaços interiores. Os investigadores criaram algoritmos e software, usado com sensores de RF, de modo a criar um sistema de identificação e rastreio desse espectro nos espaços interiores.

O sistema, chamado “White-space Indoor Spectrum EnhanceR” ou WISER, é capaz de identificar mais 30% a 50% de “espaço branco” do que os métodos alternativos – a maioria dos quais foram projectados para o exterior. O trabalho envolveu a utilização de um conjunto de sensores de rádio frequências para recolher uma amostra das ondas de rádio em determinado prédio, e identificar e avaliar os “espaços brancos” – no interior.

Os dados, juntamente com a informação sobre a localização de pontos de acesso sem fio e de dispositivos capazes de reportar informação, são armazenados numa base de dados de geo – localização. Alguns dos algoritmos do WISER lidam com o perfil do edifício, outros com a localização óptima dos sensores, segundo Chandra.

Para os sensores do protótipo, os investigadores usaram dispositivos Universal Software Radio Peripheral ( USRP ), rádios de software alojados em computadores. “Mas podiam ter sido usados quaisquer analisadores de espectro com um patamar de baixo ruído – há vários no mercado “, afirma Chandra. Neste caso, os sensores correram software simples para comunicar por HTTP, com a base de dados de localização geográfica.

Um avanço chave com WISER é que um dispositivo cliente de comunicação sem fios não tem de fazer a análise do espectro. Simplesmente determina a sua localização utilizando qualquer técnica de localização interior, via Wi -Fi ou Bluetooth, por exemplo, e emite os dados de posição para a base de dados de geo- localização. Em resposta, a banco devolve o conjunto de canais de espaço em branco disponíveis naquele local, e que o dispositivo usa um deles para se ligar à Internet, explica Chandra.

(John Cox, Network World)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado