Fabricantes e operadores formam CloudEthernet Forum

Alcatel-Lucent, HP, Tata ou Citrix fundam organização focada em tornar a Ethernet mais adequada para serviços de cloud funcionarem entre centros de dados.

Um grupo de 11 fornecedores e clientes de cloud computing, além de fabricantes de tecnologia, fundou o CloudEthernet Forum, que foi apresentado no Ethernet Innovation Summit, que decorreu na semana passada em Mountain View, na Califórnia.

Como membros fundadores tem o apoio da Alcatel-Lucent, Avaya, Citrix, Equinix, Huawei, HP, Juniper, PCCW Global, Spirent Communications, Tata Communications e Verizon.

Originalmente uma tecnologia para redes locais (LAN), a Ethernet é cada vez mais usada para WAN (de longa distância). Agora, o CloudEthernet Forum visa tornar a Ethernet mais adequada para serviços em cloud computing em grande escala e que pode funcionar a partir de vários centros de dados.

A versão 2.0 da Carrier Ethernet já foi preparada para suportar melhores ambientes de cloud computing. Mas Nan Chen, presidente do Metro Ethernet Forum (MEF), em declarações ao  Computerworld, explica que ainda é necessário definir e estabelecer os protocolos mais adequados a utilizar em várias áreas: “multicast, broadcast, armazenamento, entre outras”, diz.

E é isso que a nova organização vai fazer também.  As empresas e os fornecedores de cloud computing cresceram até ao ponto em que podem ter milhões de máquinas virtuais e milhares de clientes.

Nesse aspecto, a Ethernet pode começar a mostrar algumas limitações, disse James Walker, presidente do CloudEthernet Forum. Por um lado, porque a Ethernet gera uma grande quantidade de tráfego para fins de manutenção de registos e descoberta de recursos na rede, disse.

Com o grande número de clientes e máquinas virtuais que podem estar activos, o tráfego administrativo pode multiplicar-se tendo impacto nos pacotes que a rede deve transportar. Para os prestadores de serviços, é tráfego que não gera receita, explica Walker, que também é vice-presidente da Tata Communications.

O CloudEthernet Forum pode procurar maneiras de reduzir o tráfego administrativo em redes de cloud computing, por exemplo. Outra limitação da Ethernet em cloud computing é o limite para o número de LAN virtuais que podem ser configurados numa rede.

O limite é de cerca de 4 mil VLAN, que pode ser adequado para uma empresa, mas é pouco para uma rede de cloud computing, disse Walker. Se existem centenas de milhares de clientes alojados no centro de dados de um prestador de serviços, e cada um quer redes VLAN separadas para as base de dados, Internet e outras operações, as capacidades da Ethernet ficam aquém das expectativas.

O CloudEthernet Forum também quer trazer mais coerência com as normas para o armazenamento em redes Ethernet. Há muitos padrões concorrentes e diferentes implantações dessas normas, disse Walker.

Algumas normas de armazenamento de Ethernet, como o Fibre Channel over Ethernet, podem precisar de ajustes para responder às necessidades de redes em cloud computing, disse Walker. Através de uma comissão técnica, o CloudEthernet Forum vai definir os problemas e trabalhar para resolvê-los: quer certificar as suas próprias normas ou pedir a outro organismo de normalização, como o IEEE ou o MEF, disse Walker. O grupo fará parte da actividade do MEF mas será um órgão independente, de acordo com este responsável.

Há algumas ausências notáveis no Forum, entre as quais a Cisco. Para Nan Chen, este fabricante está “apenas atrasado”. Mas acaba por admitir que o processo de adesão será longo e difícil.

Novo comité para operações de serviços
O MEF lançou também um novo comité dedicado às operações de serviços. O seu objectivo, explica o presidente, é normalizar e assim tornar mais fáceis os processos de venda e compra de serviços de Carrier Ethernet. Este trabalho será desenvolvido, de acordo com o mesmo, em três vectores principais:
– abordando os procedimentos de qualificação de serviços entre operadores, fornecedores e clientes;

– agilização de contratação entre fornecedores;

– nos processos de encomenda, ao criar um “template” para a mesma.
(com Stephen Lawson/IDG News Service)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado