Telemóveis não causam interferências em aviões ou bombas de gasolina

Afirmação é da Associação de Telecomunicações Móveis da Austrália, que diz não haver provas concretas de que os telemóveis podem interferir em ambas as situações.

O sector da telefonia móvel reafirmou que os dispositivos móveis não interferem em aviões ou provocam explosões em postos de combustível.

A Associação de Telecomunicações Móveis da Austrália (ATMA) refutou algumas das afirmações sobre os perigos da telefonia móvel.

A ATMA diz que “não há provas” de que os telemóveis possam interferir nos sistemas das aeronaves dentro da cabine dos passageiros. E nenhuma regulamentação do governo australiano impõe às companhias aéreas restringir o uso de telemóveis, disse.

Ainda assim, a Associação aconselhou os passageiros a aderir às políticas aéreas que exigem que os telemóveis sejam desligados na descolagem e aterragem, e a colocá-los em “modo avião” durante o vôo. “Os aviões modernos são concebidos para responder a rigorosos padrões internacionais de segurança, incluindo a abrangente protecção de sistemas electrónicos dos aviões”, disse o CEO da ATMA, Chris Althaus.

“Estes requisitos de protecção são destinados especificamente a evitar a interferência electromagnética. Na verdade, as aeronaves rotineiramente lidam com grandes fontes de energia electromagnética, como sistemas de radar de alta potência do aeroporto”.

Postos de gasolina
Relativamente às preocupações sobre o uso de telemóveis enquanto os condutores abastecem os seus automóveis, a ATMA afirmou que “a quantidade de energia de radiofrequência emitida pelos telefones portáteis modernos é muito baixa para causar uma faísca, o que poderia inflamar a gasolina”.

“A preocupação com o uso do telemóvel em postos de gasolina foi baseada na crença de que havia um risco da bateria ser desligada do aparelho e causar uma faísca, o que poderia inflamar o combustível – embora ninguém tenha qualquer prova credível para apoiar esta opinião”, disse a ATMA.

Na verdade, disse a Associação, a própria estática do corpo de uma pessoa é mais susceptível de causar incêndios em bombas de gasolina.

A organização cita um relatório de 2005, do Departamento Australiano de Segurança do Transporte: “embora os incêndios tenham sido reivindicados por serem causados pela explosão de telemóveis, especialistas posteriormente mostraram que nenhum dos incidentes foi associado a equipamentos de telecomunicações”, disse o relatório sobre 243 incêndios relatados em todo o mundo entre 1993 e 2004. “Em vez disso, muitos deles foram causados pela descarga de electricidade estática do corpo humano”.
(Adam Bender/Computerworld Austrália/IDG Now!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado