Falhas na protecção de dados de clientes para testes

Um quinto dos CIO admite não encobrir ou proteger os seus dados de clientes para efectuar testes em ambientes de mainframe.

Cerca de 20% dos CIO admite não “mascarar” ou proteger dados dos clientes das empresas onde trabalham antes de os enviar para prestadores de serviços em outsourcing, de teste a aplicações de mainframe.

Na outra extremidade do espectro, 82% das empresas encobrem os dados do cliente antes de os fornecer às empresas contratadas. Mas descrevem o processo como sendo “difícil”, no estudo da Vanson Bourne, patrocionado pela Compuware, para o qual foram questionados 520 CIO em todo o mundo.

Além disso, 56% dos responsáveis que mascaram a informação consideram que isso “afecta negativamente a qualidade dos testes e dos processos de garantia de qualidade”. Mesmo assim, 30% das empresas não fornecem à empresa contratada quaisquer dados do cliente – apesar de os dados de teste precisarem de reflectir as condições do ambiente de produção de dados, tanto quanto possível.

“Se as aplicações têm de ser testadas exaustivamente, particularmente no complexo mundo do mainframe, as condições dos dados de teste devem reflectir as condições de dados em produção, tanto quanto possível, sobre pena de a aplicação não ter depois um bom desempenho “, disse Kris Manery, gestora da Compuware para soluções de mainframe. O estudo constatou ainda que 87% das organizações que não mascaram os dados preferem depender de acordos de não divulgação de informação estabelecidos com os prestadores de serviço.

Mesmo sabendo que  isso não impede o pessoal não autorizado de roubar ou libertar informação. Para evitar problemas relacionados com a privacidade de dados, uma série de organizações encobrem os dados de clientes ou seleccionam pequenas quantidades de informação – em vez de fornecer cópias de produção completas.

Isso pode ser um processo difícil para algumas empresas. Outtras não fornecem quaisquer dados, optando por criar dados de teste, mas esse método pode ser caro e demorado.

A Compuware diz que essas práticas estão a ter um impacto importante na qualidade de desenvolvimento de aplicações, em outsourcing. E por isso propõe sistemas de optimização de dados, para  a criação dos mesmos.

(Antony Savvas/Computerworld UK)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado