Senado dos EUA aprova imposto sobre vendas na Internet

O Marketplace Fairness Act sobe agora à Câmara dos Representantes, onde pode ser vetado.

O Senado dos EUA votou esta segunda-feira para permitir que os estados possam recolher impostos sobre vendas dos retalhistas online, tornando mais difícil a compra online de produtos livres de impostos.

O Senado votou 69-27 sobre o Marketplace Fairness Act e o projecto de lei vai agora para a Câmara dos Representantes (House of Representatives), onde pode enfrentar oposição de muitos republicanos anti-taxa. O presidente dos EUA, Barack Obama, manifestou apoio ao projecto, o que significa que o poderia promulgar se a House o aprovar.

O projecto de lei permitiria aos estados recolherem impostos sobre as vendas dos grandes vendedores na Internet que não tenham presença física dentro das suas fronteiras, reduzindo a capacidade dos clientes da Internet para evitarem os impostos nas vendas. Agora, os retalhistas online só têm que cobrar impostos nos estados onde estão presentes, incluindo lojas e armazéns.

Um grupo bipartidário de senadores votou a favor do projecto de lei, com muitos republicanos, muitas vezes contra novos impostos, a votarem a favor.

Os defensores argumentam que o imposto sobre vendas na Internet não será realmente um novo imposto, porque 45 estados que cobram impostos sobre as vendas já requerem aos moradores para reportarem as suas compras pela Internet e pagarem impostos sobre as mesmas. Mais de 90% das pessoas ignoram esta exigência ou não sabe sobre ela, e os estados também não a têm aplicado.
(Grant Gross/IDG News Service)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado