CIO de bancos têm de posicionar-se para controlar custos de TI

A Gartner diz que o aumento exponencial da procura por serviços de TI são um problema para todos os bancos: os orçamentos de TI não conseguiram acompanhar o ritmo.

O tamanho e a complexidade crescentes dos grandes bancos está superando a capacidade de os seus CIO prestarem um suporte eficaz em TI e do ponto de vista operacional, diz o analista do Gartner. A consultora diz que os aumentos exponenciais nas necessidades de TI são um problema para todos os bancos, em particular porque os orçamentos de TI não conseguiram acompanhar o ritmo da procura.

Um levantamento de 2013 focado em CIO de empresas de serviços financeiros mostrou mais uma vez apenas um pequeno aumento nos orçamentos de TI – uma média de 0,4%. A Gartner diz que nos grandes bancos as economias de escala – o que os torna mais capazes de absorver despesas fixas devido a uma base de clientes maior e um maior poder de compra – deveria dar-lhes uma vantagem sobre os bancos menores.

No entanto, os dados da consultora  continuam a mostrar como essas supostas economias de escala estão a ser suplantadas nos grandes bancos (normalmente aqueles com receita anual superior a 10 mil milhões de dólares) pela “procura acelerada e pela complexidade”. “O fraco desempenho dos grandes bancos não pode ser adequadamente explicado como um reflexo das más condições económicas e das restrições gerais sobre os orçamentos da empresa”, diz a consultora.

“A Gartner acredita que se verifiocauma força mais abrangente e global: a” lei do retorno de TI decrescente “, explica a consultora.Esta diz que o aumento da digitalização criou um crescimento exponencial na procura que excede a capacidade de os CIO dos grandes bancos fornecerem serviços de TI de forma rentável.

Acrescenta que os gastos com TI estão fora do controlo do CIO do e isso torna os modelos tradicionais de gestão obsoletos. A consultora diz ainda que os CIO dos bancos têm de lidar com o impacto da referida lei dos rendimentos decrescentes nas reuniões das comissões executivas das instituições.

Recomenda que os investimentos iniciais na eficiência de TI necessitam de investimentos posteriores e maiores na entrega e gestão – como maior automação e mais portais de self-service, devido ao aumento da procura. Os CIO também precisam de calcular melhor os custos de suporte aos produtos.

A Gartner diz que a proliferação contínua de produtos, sem reforma de alguns existentes, acrescenta despesas de TI – além de introduzir custos adicionais para adaptar as operações projectadas para suportar um conjunto original de produtos. Também precisam de reavaliar os modelos de gestão de serviços não financeiros.

“A Google, a Facebook, a Amazon, e assim por diante, disponibilizam modelos e uma fonte de boas práticas curso para as instituições financeiras”, diz o analista. Os CIO também deveram executar exercícios para avaliarem quais os trabalhos ou funções passíveis de serem substituídas usando inteligência artificial, agentes e processos computacionais, acrescentou a Gartner .




Deixe um comentário

O seu email não será publicado