Facebook processado por função “like”

Programador holandês, falecido em 2004, detinha duas patentes nos EUA para sistema de rede social antes de o Facebook ser lançado.

O Facebook está a ser processado pela família de um falecido programador holandês que detinha duas patentes relacionadas com a partilha e actualização de conteúdo de media social muito antes de a rede social ser lançada.

O processo, aberto a 4 de Fevereiro passado no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Leste da Virgínia, também cita o AddThis, um serviço de “bookmarking” social que foi parceiro do Facebook no início. O processo alega que o botão “like” e outros recursos de partilha de conteúdos infringem as patentes.

As patentes em questão foram concedidas em 2001 e 2002 ao investigador de informática Joannes Jozef Van Der Meer Everardus. Este requereu duas patentes para o seu sistema. A primeira (6,415,316), descreve um sistema pelo qual as pessoas podem criar um diário pessoal na Internet em ordem cronológica e partilhar conteúdo de terceiros com um grupo selectivo de pessoas por meio das configurações de privacidade.

A segunda (6,289,362) descreve como um utilizador pode transferir conteúdo para um diário pessoal clicando em botões presentes nas páginas da Web, que são ligadas ao diário do utilizador. O  botão “like” do Facebook está espalhado em todos os fornecedores de conteúdos fora da rede social e é usado para direccionar tráfego para os seus sites.

Em Junho de 2012, o Facebook adquiriu a patente 7,907,966 dos EUA, inicialmente concedida à AOL, que descreve uma forma de executar aplicações multi-plataforma num dispositivo sem fios. Este registo apresenta uma das patentes de Van der Meer como referência.

Um porta-voz do Facebook contactado esta semana não quis comentar o assunto.
(IDG News Service/IDGNow!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado