Compra da Dell em negociações avançadas

Quatro bancos – o Credit Suisse, o Bank of America Merrill Lynch, o Barclays e o RBC – estarão a desenvolver conversações para financiar a saída de bolsa do fabricante, avançou a Reuters

As conversações para a Dell deixar de ser uma empresa cotada em bolsa estarão já numa fase avançada, de acordo com a Reuters. A agência noticiosa revela que “pelo menos quatro grandes bancos” estão alinhados para disponibilizar financiamento, baseando-se em informações de duas fontes “com conhecimento” sobre o processo assunto à Reuters.

De acordo com as mesmas, a consultora Silver Lake Partners, está a liderar as negociações e conseguiu convencer o Credit Suisse, o Bank of America Merrill Lynch, o Barclays e o RBC. A Reuters avança ainda que o JPMorgan está a aconselhar a Dell na compra da organização avaliada em 19 mil milhões de dólares

A alta capitalização de mercado da Dell, agora ainda mais reforçada, e as suas dificuldades para deixar de ser um mero fornecedor de PC, para ser uma empresa fornecedora global de TI, significa que várias entidades de fundos de investimento terão de participar, dizem vários analistas. E o preço das acções do fabricante tem estado a subir. O CEO  e fundador da  empresa, Michael Dell, ainda possui 15,7 do cpaital da empresa.

A aquisição pode ajudar a Dell a centrar-se em metas de longo prazo, protegendo a empresa da pressão para executar bem financeiramente vinda de Wall Street. Mesmo assim permanecem dúvidas em torno da viabilidade da empresa a longo prazo.

Estão sobretudo relacionadas com as suas recentes dificuldades financeiras, a saída de executivos e a sua viabilidade estrutural – relacionada com uma forte dependência face ao negócio de PC, de baixa margem de lucro – segundo os analistas. Na segunda-feira, Shaw Wu, da Sterne Agee, colocou a capitalização de mercado da Dell em torno dos 21 mil milhões, e considerou improvável a operação de compra por exigir “financiamento considerável”.

E também questionou a estabilidade da estrutura de negócios da Dell. Mas outros analistas dão mais crédito à operação.

A aquisição por empresas de fundo de investimento pode ser válida, dado a empresa estar no referido processo de transição, disse Carter Lusher, analista de TI da Ovum. “A ambição da Dell é disponibilizar toda a oferta completa de TI com o apoio de serviços. Embora essa transição esteja a acontecer há vários anos, ainda há muito por fazer”, disse Luster.

A Dell estará a procurar libertar-se da necessidade de corresponder às expectativas de ganhos trimestrais. Os investidores podem tornar-se bastante míopes ao centrarem-se apenas nos lucros trimestrais por acção, considera Luster. O fabricante divulga os seus próximos resultados trimestrais a 19 de Fevereiro.

“Faz sentido estratégico deixar de ser cotada, para executar as grandes mudanças necessárias visando refazer a empresa. Mas  isso não é uma panaceia, havendo um alto custo associado a essa mudança de estrutura de propriedade. Se a Dell não tiver os parceiros de investimento certos poderá ficar em situação pior”, disse Luster.

Nos últimos anos a Del tem reestruturado os seus negócios para se afastar de produtos de margens baixas, como os PC, e procurando entrar no sector empresarial para aumentar a rentabilidade. A empresa reduziu a sua linha de PC de baixo preço e aumentou a oferta de produtos de margem mais alta num esforço para melhorar os lucros, num mercado competitivo.

A empresa também fez uma série de aquisições com o objectivo de oferecer um portefólio global de TI com oferta complementar de serviços, de software, de equipamento de redes, armazenamento e servidores. Mas os parceiros investidores podem ter visões diferentes para o futuro da Dell e isso pode dificultar um acordo entre os mesmos sobre um plano de negócios comum – o que poder ser um espinho nos planos da Dell, alerta Ezra Gottheil, analista sénior da Technology Business Research.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado