Maus tratos na origem de suicídio em fábrica chinesa

Trabalhador suicidou-se depois de lhe ter sido negada licença sem vencimento pela Foxlink, fornecedor de equipamento electrónico para dispositivos da Apple, diz a família.

O trabalhador chinês que cometeu suicídio a 29 de Setembro na Foxlink, terá sido vítima da gestão severa imposta pela direcção da mesma, segundo a família. Quando tentaram manifestar-se membros deste núcleo foram presos pela polícia local, junto da fábrica do fornecedor de equipamento para dispositivos da Apple.
Ele Cheng, suicidou-se atirando-se do sexto andar de um prédio do fabricante de Taiwan. O trabalhador, estava empregado na fábrica localizada na cidade chinesa de Dongguan por apenas 20 dias.
E terminou a sua vida após a direcção ter-lhe recusado três dias de licença pessoal sem vencimento, de acordo com sua irmã, He Mei. Devido à procura verificada nos mercados pelo iPhone 5, a administração da fábrica pressionara os funcionários para trabalharem no feriado do dia nacional da China, explicou por telefone à IDG.
“A empresa negou a  Cheng a licença. E informou-o de que se queria sair, teria então de deixar o seu emprego, mas sem lhe ser pago o salário”, avançou. “E ele então ameaçou atirar-se do telhado”, acrescentou a irmã.
Segundo a mesma, o irmão já estava a sentir-se mal por ter de  trabalhar 14 a 15 horas por dia na fábrica. “Mas a empresa não se importou muito com o que ele tinha a dizer”.
A Foxlink fabrica acessórios electrónicos, como conectores de cabo para o iPhone, de acordo com Jin Jie, um investigador da Little Grass Workers’ Home – organização de protecção laboral – o qual trabalhou na fábrica, entre Julho e Agosto.
A Apple, no entanto, não refere o nome da Foxlink como um dos seus fornecedores na sua lista de 2011. Mas a empresa taiwanesa tem laços com a Foxconn, o grande fornecedor da Apple. Além disso, os líderes das duas empresas, o Chairman da Foxlink, T.C. Gou, e o CEO da Foxconn, Terry Gou, são irmãos.
A Foxlink não respondeu imediatamente à solicitação de um comentário sobre o assunto. Um empregado da Foxlink em Dongguan, apenas manifestou incerteza sobre o suicídio, antes de desligar abruptamente.
Após a morte de Ele, a sua irmã e outros membros da família fizeram uma manifestação fora da fábrica da Foxlink, exigindo à empresa uma compensação. A polícia local foi então rápida a deter a família, cujo protesto atraiu vários espectadores, de acordo com um vídeo.
A Foxlink ofereceu-se para pagar à família entre 40 mil yuan (4,9 mil euros) e 50 mil yuans (6,1 mil euros) para compensar a família, de acordo com Ele Mei. “Nós esperávamos ser compensados com um quantia entre 800 mil e 1,2 milhões de yuans (entre 97,6 mil euros e 146,5 mil euros”, revelou a irmã.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado