Chegou o tempo da empresa social

Potencial de negócios das redes sociais empresariais será desbloqueado com mudança nos negócios e quando essas redes se demonstrarem essenciais.

Há vários anos que se vive com o fenómeno das redes sociais, uma tendência a partilhar e discutir conteúdos online que tem sido uma verdadeira mudança de paradigma para muitas empresas, acostumadas à comunicação unidireccional tradicional.
Mas o momento para mudar e tornar-se numa verdadeira “Empresa Social” chegou finalmente. Agora é o momento-chave para as empresas começarem a considerar o papel das redes sociais nas suas estratégias de colaboração empresarial.
Esta é a opinião da empresa de análise Ovum que afirma ainda que o mercado global das redes sociais está a começar a amadurecer e está actualmente a passar da fase de introdução para a do crescimento. Nesse sentido, nota-se que neste sector tem havido algumas aquisições estratégicas, tanto por fornecedores de nova geração como de fabricantes já existentes.
Para Richard Edwards, analista da Ovum, “Jive e Yammer são os dois fornecedores que as organizações estão mais ansiosas em comparar e contrastar, mas também devemos considerar outros fornecedores que estão a gerar um significativo volume de negócios”.
Valor de negócio das redes sociais
Apesar desta aparente maturidade do mercado social, muitas empresas estão a adoptar essas plataformas sem estarem muito convencidas do seu valor real para a empresa, algo que não as impede de apostar nestas tecnologias. Além disso, os dispositivos móveis estão cada vez a serem mais utilizados para aceder às redes e, assim, amplia-se a utilização de tais soluções a um público mais vasto.
Assim, a Ovum acredita que o potencial de negócios oferecido pelas redes sociais empresariais só será desbloqueado quando a necessidade impuser uma mudança nos negócios e essas redes sociais demonstrarem serem essenciais.
Enquanto isso, o panorama empresarial de tecnologias colaborativas está cheio de software social de e oferecidos por uma grande quantidade de diversos fabricantes. Os fornecedores que oferecem soluções empresariais “pure-play” de redes sociais estão a competir contra os fornecedores já estabelecidos de colaboração empresarial.

(Computerworld.es)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado