Melhoria da informação é principal benefício das TIC nas PME

Os maiores obstáculos ao investimento das PME portuguesas em TIC são o orçamento reduzido e as dificuldades de financiamento, de acordo com um estudo da IDC.

Os maiores benefícios da adopção TIC nas PME portuguesas são a melhoria da informação de suporte à decisão – dizem 73% – e a melhoria  dos processos de negócio (72%) segundo um estudo da IDC – a consultora questionou responsáveis de 425 empresas, obtendo respostas de perto de um terço. O terceiro maior benefício indicado foi o aumento da produtividade dos colaboradores (69%).
Contudo numa altura em que a economia pede maiores índices de produtividade, a maioria das PME aponta como grandes obstáculos à implantação de TIC, o orçamento reduzido (61%) e as dificuldades de financiamento (38%). Na mesma linha, um dos principais critérios de selecção de fornecedores de tecnologia é o preço da sua oferta – dizem 84%. Segundo o director-geral da consultora, Gabriel Coimbra, este factor antes nem era referido pelos inquiridos. Hoje ganha cada vez maior protagonismo, acrescenta.
Mas apesar destes constrangimentos, subsiste outro: o facto de as soluções serem pouco adaptadas às necessidades da organização. É um obstáculo apontado por 28% das PME.
O facto de se tratar de PME pode explicar o dado, por ser já tradicional esse tipo de empresas considerar o seu negócio muito específico – e muitas dedicam-se mesmo a nichos de mercado. E em consonância consideram como um dos principais critérios de selecção de fornecedores o conhecimento dos mesmo sobre o seu negócio.
Há ainda pouco mais de um quarto (26%) das empresas a afirmarem a falta de soluções específicas para o sector onde operam.
Apesar do reconhecimento da importância das TIC na actividade das organizações – patente em vários indicadores do estudo – apenas 19% apontou o crescimento nas receitas da empresa como um dos benefícios. Na opinião de Diogo Pinto de Sousa gestor de vendas da HP, o facto tem a ver com a de percepção do impacto da TIC nesse aspecto, que não conta com muitos “benefícios indirectos”, assumidos por exemplo na redução de custos de funcionamento – apontado por 50% das empresas.
Em comentários ao resultado do estudo, o gestor de negócios da Intel em Portugal, Alexandre Santos, refere este aspecto como um dos mais importantes da utilização da TIC pelas PME,  mais interessadas em diminuir despesas operacionais. A  “fatia” mais pequena do investimento em TIC  é dedicada à inovação, refere.

Contudo o responsável prevê o surgimento de novas PME mais eficazes – depois de processos de optimização – com dinâmicas diferentes das actuais, à conquista de novos negócios. Serão organizações assentes na capacidade de automatização de capacidade de expansão do negócio.
“Braço” financeiro da HP mais requisitado
Face à conjuntura económica, e de acordo com Diogo Pinto de Sousa, os serviços da HP Financial têm sido cada vez mais requisitados por PME à procura de facilidades financeiras. Embora não tenha adiantado valores concretos, o responsável afirma ter havido um aumento tanto no número de interessados como no valor total concedido.
Despesa anual das PME com TIC
43% tem despesas entre 10 e 50 mil euros
30% com despesas abaixo dos 10 mil euros
10% regista despesas entre 50 e 100 mil euros
Comportamento das PME no Investimento em TIC
40 % disse estar a diminuir o investimento para conter custos
23% está a investir mais para  aumentar níveis de competitividade da organização
37%  afirma continuar a investir o mesmo de forma a manter os níveis de competitividade da organização
Utilização de novas tecnologias
68% já tem smartphones para executivos
18%  tem projectos de comunicação unificada em contratação ou implantação e 20% tem planos de as vir a utilizar no prazo de um ano
80% não tem planos para disponibilizar “media tablets” para todos os colaboradores. Mas 32% já o faz e 30% tenciona fazê-lo para executivos.
54% não tem planos  para usar serviços de infra-estrutura em cloud computing. Perto de 62% não tenciona utilizar aplicações de negócio em cloud computing.
Os projectos de disponibilização de media para executivos são os mais referidos, a seguir aos de comunicações unificadas, como fazendo parte dos planos das empresas nos próximos 12 meses. Só depois surge a utilização de serviços de infra-estrutura e aplicações de negócio em cloud computing com 16% (cada).




Deixe um comentário

O seu email não será publicado