90% das aplicações móveis descarregadas são gratuitas

Haverá mais de 45,6 mil milhões de downloads de aplicações móveis em 2012 segundo a Gartner. Só a loja da Apple responderá por 21 mil milhões.

Previsões da Gartner  apontam para que  das lojas de aplicações móveis sejam feitos mais de 45,6 mil milhões downloads em 2012. Mas 90% são de aplicações gratuitas.
Nas expectativas da consultora só da loja da Apple far-se-ão mais de 21 mil milhões de downloads – um crescimento de 74% em relação ao ano anterior. A procura mantém-se forte e a quota de mercado deste fabricante é a maior, com a loja a disponibilizar 25% das aplicações.
O volume de aplicações existentes é influenciado pelo número crescente de lojas no mercado. Incluem-se proprietários de plataformas, fornecedores de dispositivos, de serviços de comunicação, entre outros. Essas lojas vão aumentar as suas quotas de mercado, mas a procura total ainda será dominada por Apple, Google e Microsoft.
O método mais eficiente de converter os utilizadores casuais em consumidores, segundo a Gartner, é através da venda de conteúdos pelas aplicações (in-app). Mas depois é preciso  reter esse público com uma boa experiência de utilizador e actualizações constantes dos produtos.
As expectativas são boas para o modelo de compra “in-app”. De acordo com a Gartner, em 2016, ele responderá por 41% da facturação das lojas de aplicações. Enquanto o mercado evolui para as aplicações gratuitas e de baixo preço, o “in-app” elevará o número de downloads e facturação das lojas.
A Gartner espera que o número de downloads desse tipo cresça de 5%, registados em 2011, para 30%, em 2016, e contribua para o aumento da facturação das lojas de 10% para 41%, no mesmo período. As lojas de aplicações devem adoptar o modelo “in-app” o mais rápido possível – será um novo caminho para gerar receita e ajudar a atrair programadores – fornecendo um fácil acesso a serviços e funcionalidades actualizadas.

(IDG Now)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado