Colocar inteligência na virtualização de desktops

Apesar das críticas sobre custo e desempenho, a VDI encontra um potencial novo concorrente na virtualização inteligente de desktops (IDV).

A virtualização de desktops ou VDI (Virtualization Desktop Infrastructure) parece oferecer muito a um preço difícil de justificar. A VDI falha de muitas formas, começando pelo facto de que os dispositivos exigem uma ligação de banda larga para aceder aos sistemas do utilizador.
O que se quer é a virtualização com o desempenho e a capacidade de resposta de um sistema operativo (SO) instalado localmente num PC. Ainda que apropriado em certas circunstâncias, a VDI também não é a resposta para a maioria dos problemas dos utilizadores numa empresa.
Agora, existe uma outra opção de virtualização de desktop a considerar: a virtualização inteligente de desktops (IDV), que reúne tanto as necessidades do departamento de TI quanto a procura dos utilizadores.
Olhando para um produto IDV – o Mirage, da Wanova -, este usa um computador com o Windows XP ou Windows 7, instala um cliente de 2 MB e grava a imagem do PC num servidor Mirage Wanova, que utiliza o Windows 2008 R2.
O Mirage não apenas envia a imagem completa do sistema, como também determina que ficheiros e dados já estão no servidor Mirage, para depois enviar apenas as diferenças a partir do PC. Isto economiza largura de banda e armazenamento. Além dessa duplicação em tempo real, o Mirage utiliza protocolos WAN proprietários para garantir ligações de alto desempenho.
Ao mesmo tempo, o cliente Mirage faz um inventário do sistema inteiro (hardware e software) para que o departamento de TI possa fazer mais facilmente a gestão desse inventário. A recuperação de desastres é também muito mais fácil: se alguém perder um notebook numa viagem de negócios, um administrador de TI pode pegar num novo notebook, instalar o Windows e os clientes Mirage e sincronizar os dados salvos a partir do servidor Mirage para o novo notebook, através de redes LAN ou WAN.
Além disso, a Wanova fornece ferramentas para que a TI possa fazer reparações e migrações centralizadas, tal como actualizações e correcções, para uma imagem de núcleo único enviadas para os clientes.
O que agrada na abordagem IDV, em geral, seja com uma ferramenta baseada num hipervisor como o NxTop ou numa baseada num cliente como o Mirage, é que os utilizadores têm sempre acessos locais aos seus sistemas e aos seus dados.
A Wanova desenvolveu também um portal de ficheiros que permite aos utilizadores acederem aos seus ficheiros online. Se alguém precisa de uma apresentação PowerPoint armazenada num notebook que está com problemas ou deixado em casa, pode-se entrar no portal de ficheiros a partir de um iPad, PC, Mac ou qualquer outro dispositivo a partir de um browser, e aceder a esse ficheiro sem precisar de um novo notebook ou de restaurar todo o sistema.
(InfoWorld/IDG Now!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado