Cinco maneiras de melhorar a eficiência energética dos centros de dados

A abordagem energética nos centros de dados pode ser aperfeiçoada, defende um conhecedor do assunto.

Embora poucos duvidem da importância de maximizar a eficiência energética dos seus centros de dados corporativos, Mark Thiele (na foto), vice-presidente executivo de tecnologia do centro de dados Switch, em Las Vegas, falou na semana passada na conferência Interop e apresentou o quanto as empresas ainda podem estar a falhar.
Ele citou cinco grandes áreas para se focarem, incluindo:
1. Compreender o fluxo de ar
Thiele diz que a termodinâmica básica torna o modelo de piso elevado menos eficiente do que deveria ser. Dado que o ar frio tende a ir para baixo, enquanto o ar quente tende a subir, ele questiona “para quê empurrar o ar frio do fundo”?
2. Livrar-se dos servidores zombie
Se existem máquinas legadas ainda em execução no centro de dados e ninguém sabe que lá estão, elas ainda consomem energia? Obviamente. Thiele diz que um inventário cuidadoso pode revelar servidores “zombies” que as empresas nem sequer sabiam que ainda tinham.
3. Eficiência à custa da capacidade não é realmente eficiência
Embora seja tentador trabalhar arduamente na minimização do consumo de energia, as equipas que cortam as suas capacidades para o fazer drasticamente reduzem o potencial de retorno sobre o investimento que podem fornecer. “A oportunidade das TIs é para ajudar o negócio a ganhar mais dinheiro. Se usar mais energia para fazer isso faz sentido, então deve-se fazê-lo”, diz Thiele.
4. Não sue pela humidade/temperatura…
As gerações mais recentes de equipamentos para os centros de dados não precisam de ser mantidos tão frios como os seus antecessores, afirma Thiele. “Se a maioria do seu equipamento tem menos de quatro anos, dê um salto selvagem e vá para os 23 graus centígrados”, aconselha. “Abra a sua largura para a humidificação de -9 a 21, em vez de 7 a 15, ou outro valor apertado como tem ocorrido historicamente”.
5. …mas sim pelas pequenas coisas
“Não se pode mexer em nada sem potencialmente afectar o desempenho do centro de dados”, de acordo com Thiele. Tudo desde o tamanho das portas à altura do piso e a presença (ou, espera-se, a ausência) de poeiras no ar pode ser um factor importante na determinação de como se opera eficientemente uma instalação.
Thiele, como já deve estar claro, fala muito a sério sobre a eficiência energética dos centros de dados. Numa ocasião, “realmente deixei a minha esposa e filha num acampamento” para conduzir durante uma hora e meia e resolver um problema, contou.


Tags


Deixe um comentário

O seu email não será publicado