Os Unknowns, depois dos Anonymous

Grupo aconselha vítimas a contactá-los para explicarem ataques. NASA e Harvard estão entre as organizações visadas.

O último grupo misterioso de hackers a aparecer chama-se “The Unknowns”, e afirma ter atacado um centro de investigação da NASA, as Forças Armadas dos EUA, a Agência Espacial Europeia e outras entidades, colocando alguns detalhes desses acessos.
A mensagem deixada pelo grupo no site Pastebin esta semana afirma que a sua lista de “vítimas” também inclui a Marinha da Tailândia, a Universidade de Harvard, a fabricante francesa Renault, o Ministério da Defesa francês e as Páginas Amarelas da Jordânia.
Os Unknowns não afirmam que os seus ataques ocorreram por não gostarem por alguma razão das organizações atacadas, o que é geralmente a explicação dos Anonymous. Em vez disso, a sua motivação parece ser mais a de mostrar as suas façanhas de segurança e “sabedoria”, de acordo com a sua própria explicação.
“Vítimas, nós divulgámos alguns dos vossos documentos e dados, e provavelmente os prejudicámos um pouco, mas essa não é realmente a nossa intenção, porque se fosse todos os seus sites Web estariam completamente desconfigurados, mas nós sabemos que numa semana ou duas as vulnerabilidades encontradas estarão corrigidas e é isso que realmente estamos procurando”, dizem os Unknowns no texto. Eles também insinuam estar atrás de outros sites.
O grupo deixou um endereço de e-mail intimando as “vítimas” a contactá-los, dizendo que estão prontos para lhes fornecer “informações sobre como penetrámos nas suas bases de dados, e estamos preparados para fazer isso a qualquer momento, entrem apenas em contacto connosco”.
Eles também parecem estar a encorajar as organizações que não foram atacadas – ou que não revelaram ter sido – a contactá-los, mas ainda não é claro qual a finalidade disso. “Contacte-nos antes de tomarmos uma acção porque iremos ajudá-lo e não divulgaremos nada”, dizem. Este seria um passo incomum para uma organização: aceitar um conselho de um grupo misterioso de hackers apenas pelo receio de estar sujeito a algum tipo de extorsão.
(Network World/IDG Now!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado