Europa e EUA alertam para possível repressão ao HFT

Legisladores da UE e a CFTC estão a propor novas regras para combater a alta frequência de negociação bolsista.

Legisladores e reguladores na Europa e nos EUA querem uma potencial avaliação sobre as transacções de elevada frequência – ou “high-frequency trading” (HFT).
Um terço da negociação de acções no Reino Unido e três quartos nos EUA é gerido por algoritmos. O HFT tornou-se uma questão crucial para os legisladores desde o crash em Maio de 2010, com muitos a acreditar que a dependência dos algoritmos informáticos torna os mercados mais voláteis e faz com que os investidores de longo prazo percam para os “traders” mais rápidos.
Na semana passada, a Comissão Europeia pediu regras mais rígidas neste tipo de transacção informática, incluindo um melhor controlo para parar comerciantes “especulativos” de tomarem grandes posições que afectam os preços dos alimentos e da energia.
“Esta é realmente uma batata quente, porque há lugares no mundo onde se pode jogar na economia real”, disse Markus Ferber, membro da centro-direita alemã do Parlamento Europeu, numa reunião do comité dos assuntos económicos em Estrasburgo (França).
Entretanto, também a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) nos EUA votou para estabelecer um novo subcomité no Technology Advisory Committee, presidido pelo Comissário Scott O’Malia, cujo foco principal será o de avaliar a presença e o impacto do HFT nos mercados regulamentados pela CFTC.
“Acho que o Technology Advisory Committee através de aconselhamento e orientação deste novo subcomité sobre a automatização e elevada frequência de negociação vai proporcionar uma abordagem holística muito necessária para identificar os critérios que a Comissão precisa de incorporar em qualquer outra decisão tomada relativamente à negociação automatizada e ao HFT,” disse O’Malia.
Em relação à proposta da UE, apesar de amplo apoio, muitos não acreditam que se vá longe o suficiente na definição do que é permitido – ao contrário dos EUA, que definiram limites concretos.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado