Desinvestimento no sector público abre vulnerabilidades

A falta de investimento na segurança dos sistemas de informação do sector público é a principal causa para o aumento de casos de fraude e de ataques a essas estruturas, diz um estudo da PriceWaterhouseCoopers.

Um estudo realizado pela PricewaterhouseCoopers, mostra como os ataques a sistemas de informação de administração pública têm aumentado: quase metade dos referidos sistemas foram alvo de ataques no ano passado. A falta de investimento em sistemas de segurança no sector público emerge como a principal causa do aumento de ataques a esses sistemas.
A segurança de infra-estruturas críticas está no topo das preocupações sobre cibersegurança, para os governos, face ao aumento de ameaças previsto para 2012. A tendência confirma-se também pelos dados do estudo realizado pela PricewaterhouseCoopers.
De acordo com o estudo, 46% dos sistemas dos sectores públicos  sofreram alguma forma de criminalidade informática no ano passado. Segundo o site Infosecurity, em 2009 apenas 37% tinham sido afectados por situações de cibercrime. Assim, o número de sistemas envolvidos terá aumentado perto de 10 pontos percentuais, num só ano.
O relatório da PricewaterhouseCoopers, considera que o declínio do investimento em sistemas de TI públicos como uma das causas desse aumento. Os governos em todo o mundo estão a limitar os seus investimentos no sector público, e isso obriga a ajustar os custos.
Um dos campos onde houve mais sacrifícios parece ter sido o dos sistemas de segurança. Por isso, muitos sistemas públicos tentam lidar com novas ameaças usando ferramentas antigas, o que os torna mais vulneráveis.
O investimento em cibersegurança esta concentrado em criar melhores condições  para as infra-estrutura críticas. Mas os outros sistemas não estão a ser actualizados.
Os analistas responsáveis pelo estudo dizem que o sector público deve ser actualizado e manter-se a par do sector privado. Assim, a aposta em sistemas de prevenção de fraude e sistemas de segurança deverá ser uma prioridade.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado