Microsoft poderá apagar aplicações no Windows 8

Como os rivais iOS e Android, o novo sistema operativo da Microsoft terá uma “chave da morte” para apagar conteúdos quando quiser. A Google fez o mesmo em 2010.

A Microsoft poderá desactivar ou mesmo remover uma aplicação dos aparelhos dos utilizadores no futuro sistema Windows 8, revelou a empresa em documentos divulgados esta semana sobre a ainda inédita Windows Store.
Os “kill switches” (espécie de “chaves da morte”) – assim chamadas porque um simples comando pode apagar ou desactivar uma app – são comuns em lojas de aplicações móveis. Tanto a Apple quanto a Google podem accionar esse tipo de recurso para softwares distribuídos nas suas respectivas lojas App Store e Android Market.
Nos termos de uso da sua Windows Store, a Microsoft deixou claro que pode accionar o comando quando quiser. “Em casos em que a sua segurança esteja em risco, ou em que seja precise de fazer isso por razões legais, [o utilizador] poderá não conseguir mais activar apps ou aceder a conteúdo que tinha adquirido anteriormente”, afirmou a empresa. “Nos casos em que removermos uma aplicação paga do seu aparelho com Windows 8 Beta, poderemos reembolsar a quantia paga pelo software”.
A empresa também notou que, além da app, poderá ainda apagar os dados criados pelo software no aparelho. “Se a Windows Store, um programa ou qualquer conteúdo for alterado ou descontinuado, os seus dados poderão ser apagados ou poderá não mais conseguir reaver os dados que havia armazenado”, explicou a Microsoft.
Há cerca de três anos, o então CEO da Apple, Steve Jobs, reconheceu a existência de uma “chave da morte” no iOS, mas a empresa ainda não a utilizou. As apps aprovadas pela Apple, que depois foram retiradas da App Store por algum motivo, continuaram sempre a funcionar e nunca foram retiradas remotamente dos iPhones e iPads dos utilizadores.
Por outro lado, a Google já usou um “kill switch” várias vezes para apagar aplicações em smartphones Android, quando descobriu que esses programas continham código ou intenções nocivas. A gigante de buscas usou esse recurso pela primeira vez em Junho de 2010 para apagar dois softwares adicionados ao Android Market por Jon Oberheide, cofundador e CTO da Duo Security, empresa de software de autenticação.
(Computerworld/IDG Now!)



  1. Muito mau… a existência desse Kill Switch… pirataria não comento… mas erros estilo… até estar legalizado e haver um “problemita” e apanha-se com o kill switch… perdeste tudo? lixaste-te.
    E o mais flagrante… Hackers descobrirem como activar o kill switch e um troiano ou um virus aplicar a todas as aplicações do pc…. MUITO MAU.

Deixe um comentário

O seu email não será publicado