Microsoft paga por informações sobre Rustock

Empresa oferece até 250 mil dólares por ajuda a identificar e prender os controladores da rede que chegou a infectar mais de 1,6 milhões de PCs.

A Microsoft anunciou esta segunda-feira uma recompensa de 250 mil dólares por informações que levem à condenação e à prisão de quem controlava a botnet Rustock.
É a primeira vez que a empresa usa o programa de recompensas desde Fevereiro de 2009, quando ofereceu a mesma quantia pelos responsáveis pela rápida propagação do worm Conficker.
A Microsoft anunciou a recompensa na segunda-feira no blogue de Richard Boscovich, advogado sénior da unidade de crimes digitais da empresa. A fabricante do Windows também colocou um documento sobre a recompensa que inclui um endereço de e-mail para informações.
“Decidimos aumentar os esforços civis de investigação para identificar os responsáveis por controlar a notória botnet Rustock, anunciando a recompensa de 250 mil dólares por novas informações que resultem na identificação, prisão e condenação criminal do(s) indivíduo(s)”, escreveu Boscovich.
A Microsoft eliminou a Rustock em Março desde ano, quando advogados da empresa, incluindo Boscovich, e agentes federais apreenderam os servidores de controle e comando nos EUA.
Desde então, o número de PCs com Windows infectados com malware caiu mundialmente de 1,6 milhões para cerca de 700 mil em meados de Junho, informou Boscovich no início deste mês.
Jornais russos
Embora a Microsoft tenha publicado notificações legais em jornais russos (na imagem) no mês passado – uma formalidade legal para dar a potenciais defensores uma oportunidade de responder às acusações -, o “indivíduo”, como é chamado na acção judicial federal, não foi identificado.
Mas o programa de recompensas da Microsoft tem obtido resultados confusos.
Apesar da empresa ter lançado o programa em Novembro de 2003, com um fundo de cinco milhões de dólares, e tenha oferecido cinco recompensas de 250 mil dólares no passado, a empresa pagou a recompensa apenas uma única vez, em 2005.
Duas pessoas dividiram o dinheiro que receberam por identificar um adolescente alemão por ter criado o worm Sasser.
Sven Jaschan, preso em 2004, confessou ter desenvolvido o worm, em julgamento no ano seguinte. O jovem foi sentenciado a 21 meses de liberdade vigiada.
No passado, a Microsoft chegou a anunciar recompensas para quem ajudasse na captura dos fabricantes dos worms Blaster, Sobig, MyDoom e Conficker. Mas esses prémios não foram reclamados.
Há duas semanas, Boscovich recusou-se a garantir que a Microsoft seria capaz de identificar os responsáveis pelo botnet Rustock, mas disse gostar das hipóteses da empresa. “Eu acredito que há uma forte probabilidade [de que iremos identificar alguém], mas não é uma garantia”, afirmou o advogado.
Embora Boscovich não prometa que a nova recompensa leve as autoridades até aos criadores da botnet Rusbock, ele avisou que a empresa não vai desistir.
“Vamos continuar a seguir este caso onde quer que ele nos leve e permanecemos comprometidos em trabalhar com os nossos parceiros em todo o mundo para ajudar as pessoas a recuperarem o controlo de computadores infectados com a Rustock”, declarou Boscovich.
(Computerworld/IDG Now!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado