Apple é a maior consumidora mundial de memórias flash

Empresa de Cupertino ultrapassou outras como a HP e a Samsung e investiu 17,5 mil milhões de dólares neste tipo de componente.

A Apple ultrapassou a HP e todas as outras fabricantes de equipamentos eletrónicos e tornou-se a maior consumidora de memórias flash. De acordo com a empresa de pesquisa de mercado IHS iSuppli, em 2010, a Apple comprou 17,5 mil milhões de dólares em memórias flash, um crescimento de 79,6% em relação ao ano anterior (9,7 mil milhões de dólares).
“A chegada da Apple à liderança das compras desses componentes em 2010 foi devido ao sucesso crescente dos seus aparelhos, principalmente o iPhone e o iPad”, diz Wenlie Ye, analista da iSuppli. “Esses produtos exigem quantidades enormes de memória NAND, que também está no iPod”.
Embora a Apple também seja uma das cinco maiores compradoras de microprocessadores, foi esse tipo de memória que se destacou, refere Ye. “Para a Apple, que investe 60% do seu orçamento em semicondutores para dispositivos móveis, os processadores ficaram em segundo plano. Em 2010, a HP liderou as compras de microprocessadores, com 5,3 mil milhões de dólares, seguida pela Dell, com 4,2 mil milhões, e a Apple, com 2,5 mil milhões.
A memória flash NAND é utilizada como “disco rígido” para o armazenamento de dados em aparelhos como os iPods, iPhones e iPads. Também é usada em discos de estado sólido (SSDs) que substituem os discos rígidos tradicionais em máquinas como o MacBook Air. Ao contrário da memória RAM (DRAM), a flash é capaz de manter os dados nela armazenados mesmo quando não há energia, o que a torna ideal para dispositivos portáteis.
Também o mercado de dispositivos móveis, com destaque para o iPhone e iPad, impulsionou a aquisição de semicondutores. No início deste ano, os dados da iSuppli mostraram que o iPad estava a gerar um crescimento de cinco vezes no uso das memórias flash NAND, juntamente com o enorme crescimento das compras de tablets. De acordo com a empresa de pesquisa de mercado, a procura de memórias flash para tablets não mostra sinal de queda e deve atingir a meta de 12,3 exabytes entregues até 2014. Analisando a partir do total do fornecimento de NAND, esse tipo de memória nos tablets irá representar 11,8% do fornecimento este ano, partindo de 4,3% em 2010. Daqui a dois anos, será de 16%.
(Computerworld/IDG Now!)




Deixe um comentário

O seu email não será publicado