Operadoras de telecomunicações consideram cobrar a fornecedores de conteúdos

Empresas europeias estão a pensar cobrar aos fornecedores de conteúdos, incluindo a Google e a BBC, para enviarem dados sobre as suas redes.

As empresas de telecomunicações na Europa estão-se a unir para cobrar aos grandes fornecedores de conteúdos como a Google ou a BBC que geram grandes quantidades de tráfego em serviços como o YouTube e o iPlayer, afirmou o diário económico Financial Times (FT).
Embora a Comissão Europeia esteja a exigir um aumento no investimento pelas empresas de telecomunicações para aumentarem a disponibilidade de acessos mais rápidos por fibra em banda larga em toda a Europa, as empresas de telecomunicações responderam que precisam de gerar novas receitas para o fazer.
Dado que serviços como o YouTube e o iPlayer, juntamente com outros muito acedidos de empresas como o Facebook e o Twitter, ajudam a preencher as suas redes de dados, as empresas de telecomunicações estão à procura de algum retorno.
Sob um regime de pagamento para receber esses serviços nas suas redes, a Web pode efectivamente tornar-se um sistema dual, onde os serviços como o YouTube seriam geridos na Web de forma mais rápida do que outros conteúdos, algo que muitos legisladores não aprovam.
O argumento para cobrar aos grandes fornecedores de conteúdos pelo acesso mais rápido nas redes públicas tem sido debatido nos EUA, onde as empresas de telecomunicações não se sentem seguras para o tentar fazer.
A Google tem continuamente apoiado os princípios da neutralidade da Internet, mas operadoras como a France Telecom, Vodafone, Telefónica e Deutsche Telekom estão empenhadas em lhe cobrar e a outras empresas semelhantes, diz o FT.
As empresas de telecomunicações têm pressionado Neelie Kroes, a comissária europeia responsável pela agenda digital da União Europeia, nesta questão, e espera-se dela um relatório em Julho, que deve analisar a neutralidade da rede.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado