UE define regras para banda larga rural em 4G

As autoridades reguladoras nacionais têm até 31 de Dezembro para implantar as regras, de acordo com um comunicado da Comissão Europeia.

A Comissão Europeia adoptou regras técnicas sobre como as faixas de frequências de 900MHz e 1800MHz devem ser abertas para suportar redes de comunicações Long-Term Evolution (LTE) e WiMax. O objectivo será promover a disponibilidade da banda larga no continente europeu.

As regras foram concebidas para assegurar a coexistência de tecnologias de rede da próxima geração com as comunicações GSM, “inquilinas” actuais das referidas faixas. As autoridades reguladoras nacionais têm até 31 de Dezembro para implantar as regras, de acordo com um comunicado.

Qualquer acção de regulação capaz de remover obstáculos à implantação das redes 4G deve ser um factor positivo para os operadores, disse Mark Newman, director de pesquisas da Informa Telecoms and Media.

A decisão é um passo na direcção correcta, por forçar os países a disponibilizarem as faixas para o 4G, de acordo com Urban Landmark, chefe do departamento de gestão de espectro do regulador sueco PTS. O novo conjunto de regras também deverá simplificar a cooperação entre países e serve de incentivo aos fabricantes para começarem a fabricar mais equipamentos, afirma.

Tanto as bandas de 900MHz e 1800MHz são muito atraentes. A primeira, por exemplo, sustenta a propagação de sinal para fazer coberturas de interiores e também pode ser usado para expandir a cobertura LTE para as áreas rurais.

Na Europa, a banda será usada juntamente com o espectro anteriormente utilizado para a TV analógica, para melhor lidar com o crescente tráfego de dados. Por exemplo, o operador sueco Tele2 vai permitir que os utilizadores com telemóveis e tablets acedam à Internet usando tecnologias LTE na faixa dos 800MHz. E usará a banda dos 900MHz  para as comunicações por modems USB e routers.

A banda dos 1800MHz está também no centro das atenções por ser vista  como capaz de suportar comunicações móveis em LTE. A banda oferece um bom compromisso entre velocidade e cobertura, partindo do princípio de que aos operadores serão atribuídos dois canais de 20 MHz – o recurso necessário para as  comunicações  LTE funcionarem à máxima velocidade.

No entanto, a capacidade de atracção das licenças levará a batalhas legais sobre quem tem acesso ao espectro radioeléctrico. Na Suécia, a decisão de atribuição de licenças na banda dos 1800MHz foi contestada e alvo de recurso nos tribunais, estando a ser avaliada por um tribunal administrativo de recurso. É provável que aconteça em mais países, especialmente onde há forte concorrência, de acordo com a Landmark.

A Comissão Europeia espera que a regulamentação técnica ajude a aumentar a disponibilidade de largura de banda e garanta a concretização dos seus objectivos: garantir acessos a 30M bps (bits por segundo) até 2020, e ter metade dos lares com acesso a serviços de 100Mbps ou mais.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado