Enterasys desenvolve enfoque nos serviços geridos

Na sua estratégia de cloud computing o fabricante manifesta-se disponível para construir soluções de serviços geridos de gestão de redes, sobretudo para plataformas de cloud privadas.

O mercado dos serviços geridos é uma área de aposta por parte da Enterasys, para a qual o fabricante está especialmente disponível para estabelecer parcerias, de acordo com o director-geral da empresa em Portugal, Paulo Lopes. Particularmente útil para esse efeito será o portefólio de soluções “Cloud Wireless” proposto pelo fabricante.

Mas o cloud computing será apenas uma das áreas tecnológicas que deverão ganhar maior visibilidade na actividade da empresa em Portugal: o mercado dos centros de dados, as redes de WiFi e as soluções de NAC são as outras três.

No campo do cloud computing, a empresa está a propor o referido portefólio de soluções des gestão rede destinado a organizações interessadas,  em prestar serviços geridos de gestão de rede, operadores ou outras, a partir de uma cloud privada e ou pública. A solução “Cloud Wireless” beneficia de maior  inteligência nos seus pontos de acesso e maior autonomia dos mesmos em relação aos dispositivos controladores. Serve particularmente para  aproveitar os controladores instalados nas sedes para controlar o tráfego nos pontos de acesso em escritórios remotos.  Para facilitar estas  operações, segundo Paulo Lopes estes pontos de acesso usufruem de maior inteligência, tendo capacidade switching e filtragem. A suportar toda a gestão do ambiente misto de rede sem fios e com fios, o fabricante propõe a Network Managment Suite. Foi concebida para proporcionar visibilidade e controlo granulares sobre os recursos de rede com fios ou sem fios, a partir de dispositivos móveis inclusive.

O mercado dos centros de dados será abordado com novos produtos a serem lançados este ano. Segundo Paulo Lopes, a abordagem será feita com especial atenção às soluções capazes de reduzir custos, baseadas sobretudo em tecnologia iSCSI.

No segmento de redes de WiFi, a empresa deverá aproveitar as facilidades de gestão dos seus pontos de acesso, incluindo o facto de permitirem uma gestão integrada de redes LAN e WLAN. Apesar das dificuldades de gestão de soluções NAC , estas constituem uma aérea estratégica para a empresa durante 2011. Para suplantar os desafios em questão, Paulo Lopes recomenda que as organizações “arrumem e organizem a sua rede”, antes de implantarem uma solução de NAC. Numa nota ao canal, Paulo Lopes lembra que este universo tem uma componente forte de de venda de hardware, mas também de serviços.

Para o responsável, as soluções de NAC poderão ser uma forma mais prática  para lidar com a utilização de cada vez mais  dispositivos pessoais nas redes empresariais, por parte dos empregados.

Vendas através de operadores tem potencial

Na visão de Paulo Lopes, o negócio da venda de equipamento e soluções através dos operadores tem potencial para representar quase um quarto da facturação da empresa em Portugal: em 2010, não terá passado de 5%.

Na PT, o fabricante conta com a Compta e a Syncrea, como parceiros a quem o operador recorre. O fabricante também mantém uma relação de parceria com a ONI e na Sonaecom, a Mainroad é o ponto de contacto.

Sem revelar números, Paulo Lopes considerou que o desempenho da empresa em Portugal foi interessante em 2010. Para 2011 tem boas expectativas quanto ao investimento do sector na saúde, o qual considera estar a atravessar um “ciclo de renovação”. Mas as perspectivas do responsável sobre o sector público são menos optimistas e quanto ao sector privado espera níveis de investimento muito díspares.

Novo director técnico

Gonçalo Morais Tavares assumiu a direcção técnica da Enterasys em Portugal. O responsável tem no seu currículo oito anos de experiência na Vodafone e dois anos e meio na Tecnidata. É licenciado em Engenharia Electrotécnica e Computadores, pelo Instituto Superior Técnico.

O peso de cada área na facturação da empresa em Portugal






Deixe um comentário

O seu email não será publicado