Mais ofertas M2M com mais máquinas online

Operadoras e fornecedores mostraram no Mobile World Congress o que as máquinas ligadas estão a fazer nas suas redes.

Quase todos têm um telemóvel (ou dois) nos mercados desenvolvidos, mas as operadoras continuam a registar mais assinantes – seis milhões em cinco trimestres, no caso da norte-americana AT&T. Os novos clientes são as máquinas que nos rodeiam, ligadas à Internet para informar sobre a sua – ou a nossa – saúde. À medida que as novas máquinas ligadas mostraram as suas capacidades no Mobile World Congress (MWC), esta semana, dados da indústria apontam para uma questão importante: o que dizem os nossos gadgets sobre nós?
O M2M (“machine to machine”) refere-se geralmente a um sistema no qual um dispositivo sem fios envia dados para um sistema “back-end”, onde podem ser recolhidos e vistos. Um exemplo comum é um contador de água numa casa que, regular e automaticamente, envia os dados à empresa de água para fins de cobrança e de fiscalização.
A AT&T anunciou no MWC que tem parcerias com diversas empresas para oferecer novos recursos e serviços para os milhões de clientes que usam a sua rede de serviços M2M. As parcerias incluem uma com a Axeda, que oferece uma plataforma de desenvolvimento de aplicações para organizações industriais, médicas, informáticas, serviços bancários, retalho e governamentais.
Outros parceiros da AT&T incluem a fornecedora da plataforma de aplicações ILS Tecnologia, a SensorLogic, que oferece um serviço de rastreamento e monitorização de frotas, e a Sierra Wireless, que oferece um serviço hospedado para recolha e gestão de dados de dispositivos ligados.
No evento, a AT&T mostrou algumas ideias M2M na exposição Embedded Mobile House, incluindo frascos de comprimidos com ligações sem fios, um sistema de segurança em casa, e-readers, molduras sem fio, tablets e consolas.
A AT&T também disse que quer aumentar o seu serviço de M2M para incluir roaming em mais de 200 países até ao segundo semestre de 2011.
Por seu lado, o CEO da Qualcomm, Paul Jacobs, falou da visão da sua empresa para os dispositivos ligados, o que inclui mais do que apenas M2M. “No que acreditamos é que tudo vai estar ligado. Teremos uma Internet das coisas. À nossa volta vai haver centenas ou milhares de coisas que estão em rede e capazes de serem endereçadas”, disse.
Em casa, por exemplo, todos os tipos de dispositivos eletrónicos, incluindo as molduras digitais, sistema de som, ecrãs, dispositivos de jogos e tablets estarão ligados sem fios, disse, alguns dos quais irão enviar dados sem intervenção humana. E referiu-se a uma estatística lançado no início deste ano pela Consumer Electronics Association prevendo que, até 2014, 70% dos dispositivos de consumo estarão ligados à Internet.
Porque estes dispositivos podem utilizar diferentes tecnologias sem fios, ele imagina que o telefone vai ser o ponto central de recolha de dados a partir dos dispositivos e para controlar alguns deles. “Uma visão fundamental para o desenvolvimento futuro da indústria é que o telefone vai estar no centro dessa Web das coisas e orquestrar as interacções com as coisas”, afirmou.
Jacobs apontou alguns problemas com o M2M. Por exemplo, se as pessoas usam sensores que monitorizam a sua saúde, podem querer apenas partilhar os dados dos sensores com médicos de confiança. No entanto, se alguém tiver um acidente, essa pessoa provavelmente quer permitir que um paramédico – alguém que provavelmente nunca a tratou antes – possa igualmente aceder a esses dados. Estas são questões de privacidade que a indústria terá de resolver, salientou.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado