Barómetro da Anubis Networks registou menos spam

A AnubisNetworks divulgou o barómetro sobre a origem do spam enviado para Portugal, registado na época de Natal (Novembro e Dezembro). Registou-se 91,75% de spam no mês de Novembro e 88,01% no mês de Dezembro.

O barómetro de AnubisNetworks sobre spam enviado para Portugal durante a época natalícia de 2010, Novembro e Dezembro, registou um decréscimo acentuado de spam face a 2010 No mês de Novembro desceu 3,09% e em Dezembro 5,94% de acordo com um comunicado da empresa.
Nos mesmos períodos, 91,75% das mensagens registadas no mês de Novembro pelos sistemas da AnubisNetworks eram spam. No mês de Dezembro o valor caiu para 88,01%.
“Ao contrário do ano transacto, não se registou spam proveniente de Portugal, durante estes dois meses”, diz o documento. De acordo com o relatório os países de onde é proveniente a maior percentagem de spam enviado para Portugal é a Índia e os Estados Unidos da América.

Em Novembro, a Índia ocupou o 1.º lugar com um registo de spam enviado na ordem dos 19,60% e o Vietname o 2º lugar com 14,98%

. Em Dezembro houve uma alteração, a Índia passou para 2.º lugar com um registo de 8,20%, e os EUA subiu do 5º lugar para o 1º com 10,46% de spam enviado para Portugal.

Além da Índia e EUA, encontram-se no «Top 10», com registos diferentes de envio de spam para Portugal, os seguintes países: Rússia, Brasil, Vietname, Ucrânia, Reino Unido, Coreia, França, Roménia, Arábia Saudita, Turquia e Tailândia. A variação de percentagem é de 19,60% a 1,80% no mês de Novembro e de 10,46% a 2,47% no mês de Dezembro.
Metodologia

A análise de spam obedece a uma ordenação de critérios pelos quais se regem as tecnologias anti-spam da AnubisNetworks. Em primeiro lugar, procede-se a uma análise com base na boa ou má reputação da fonte, sendo que todos os e-mails que provenham de uma fonte com «má reputação» são de imediato rejeitados. A segunda etapa é a «rejeição por conteúdo», seguindo-se a «rejeição por destinatário inexistente», a «verificação de e-mail legítimo» e finalmente a detecção de vírus.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado