Programas falsos de desfragmentação assolam a Internet

Os programas alertam o utilizador para problemas no disco rígido e prometem, mediante pagamento, resolver o que o Windows faz de forma automática.

Uma avalanche de aplicações “scareware” que enganam os utilizadores – fazendo-os comprar falsos utilitários de reparação do disco rígido – parecem fazer parte de uma campanha orquestrada para os empurrar para falsos programas de desfragmentação, alertou uma empresa de segurança.
A Internet está repleta de utilitários para o sistema operativo Windows, geralmente gratuitos, e alguns são muito bons, pelo que os utilizadores costumam ter um apetite insaciável por eles.
Mas, de acordo com o blogue da empresa GFI-Sunbelt Security, um novo tipo de software para discos rígidos tornou-se muito comum, dado o grande número de exemplos surgidos nas últimas semanas.
Os utilizadores que encontrarem programas com nomes como HDDRepair, HDDRescue e HDDPlus deveriam ignorá-los. São aplicações falsa que prometem desfragmentar o disco rígido do utilizador – mesmo que esse trabalho de desfragmentação não seja necessário, já que o Windows faz boa parte desse trabalho sem que o utilizador dê por isso.
As aplicações, no entanto, avisam que o disco rígido no computador está recheado de problemas, como sucedia com outros exemplos anteriores como o UltraDefragger, ScanDisk, Defrag Express e WinHDD. E resolver o problema que não existe pode custar 20 dólares ou mais.
Tais aplicações têm estado em circulação há algum tempo, mas são menos conhecidos do que os falsos programas antivírus que causaram problemas na Internet nos últimos dois anos.
O fenómeno do software falso está agora profundamente enraizado na Internet e os criminosos imitam as empresas de segurança que criam programas de segurança. Aplicações que adoptam estas tácticas de semelhanças incluem a PCoptomizer, PCprotection Center e Privacy Corrector.
Uma rápida investigação no Google revela que todos os exemplos de scareware já citados são fáceis de encontrar. Nestas condições, como pode um utilizador separar o real e útil do falso e caro?
Dependendo do tipo de aplicação, algumas vezes é mais fácil consultar listas de aplicações reais do que aborrecer-se à procura de quais não são genuínas.
Como lembra o autor do referido blogue, é possível verificar a autenticidade de alguns produtos em sites como o Virus Total, que permite verificar ficheiros e URLs em listas de sites falsos, enquanto a empresa de certificação ICSA Labs publica uma lista com fornecedores de software conhecidos.
Estes sistemas de alerta, no entanto, não são perfeitos. As URLs falsas mudam constantemente e podem não ser detectadas pelo Virus Total, por exemplo.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado