Alternativa P2P tenta desafiar ICANN

Grupo liderado pelo porta-voz do Pirate Bay, Peter Sunde, quer desenvolver uma rede alternativa ao sistema DNS da ICANN, baseada num modelo peer-to-peer.

O porta-voz, Peter Sunde, está a liderar um grupo para desenvolver uma alternativa à rede de Internet baseada no sistema DNS, controlado pela ICANN, de acordo com uma entrada no blog do projecto que se chama  p2pdns. O projecto engloba um root server alternativo, o primeiro passo antes de se constituir um novo sistema DNS. O p2pdns tem por objectivo manter a Internet sem censura, de acordo com o blog. Num e-mail à redacção da IDG, Sunde assume que o sistema centralizado capaz de controlar os fluxos de informação não é aceitável. E explica que existe hoje um momento de oportunidade com a a disponibilidade de pessoas competentes e como consequência de leis nos Estados Unidos que tornam extremamente importante o desenvolvimento de uma alternativa.
Um dos elementos de censura que preocupa Sunde é o Combating Online Infringement and Counterfeits Act (COICA), aprovado pelo Senate Judiciary Committee, para ser votado pelo senado norte-americano. Esta lei permitiria aos Estados Unidos desligar sites suspeitos de alojarem materiais ilegais e abre caminho para o Departamento de Justiça, através de ordens judiciais, obrigar os ISP a redireccionarem o tráfego de clientes para fora de sites estrangeiros. Na semana passada, as autoridades do Estados Unidos mandaram encerrar 82 sites, alegadamente envolvidos nos comércio de bens contrafeitos.
Isso ajudou a elevar o interesse no P2P DNS Project. Sunde ainda está à procura de recrutar mais pessoas, embora esteja admirado com a velocidade com que a ideia foi aceite. No entanto, não quer dizer quem está também envolvido.
A infra-estrutura será  baseada em tecnologia BitTorrent, e promete segurança embora seja simples, segundo Sunde: para melhorar a segurança os dados serão assinados. O objectivo é desenvolver um sistema capaz de merecer a maior confiança do que o DNS existente.
Actualmente, há já código desenvolvido que é uma prova de conceito e um RFC (Request for Comments) está a caminho. Mas Sunde não quer pressões de tempo.
Desenvolver um sistema para competir com o DNS não será fácil. Um dos maiores desafios será oferecer a mesma robustez , explica Fredrik Ljunggren, conselheiro de segurança da consultora Kirei. O P2P DNS Project pode atrair utilizadores nos  círculos de partilha de ficheiros, mas terá dificuldades em atrair mais “clientes”. O maior receio é que o projecto acabe por retalhar Internet em várias partes. “Esse risco torna-se maior conforme aumenta o envolvimento dos políticos,” explicou Ljunggren.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado