Os 10 termos mais exagerados na tecnologia

É um “‘expert’ líder em cloud computing” com uma “solução robusta”, que estará “disponível em geral” no “início de 2011”? Claro que sim.

Tanto no mundo da tecnologia que devia ser factualmente hermético. Por exemplo: a velocidade 4G tanto é como não é e está sempre pronta para apropriação indevida pelo marketing, o exagero hiperbólico de um CEO ou a verdade torcida por um representante de vendas.
Por outras palavras, o verdadeiro significado de algumas tecnologias ou serviços depende de com quem se fala.
Aqui está um guia da revista CIO para entrar no mundo dos termos de tecnologia mais exagerados do ano. Eis os 10 favoritos (e mais frustrantes) termos de tecnologia que foram alterados, contorcidos e massajados por alguns dos actuais fabricantes líderes de tecnologia.
1. Cloud computing: Se estiver envolvida uma qualquer ligação à Internet, então é definitivamente na “nuvem”. Certo? Errado! (E, para que conste, anexar “cloud-based” para algo é ainda mais superficial!)
2. Velocidades 4G: Hmmm, a maleabilidade do 4G é uma reminiscência de quando o rótulo de “banda larga” foi aplicado às velocidades “de até” nas ligações “dial-up”. Vá lá, operadores móveis, não estão a ser verdadeiros!
3. Vendedor líder (“leading vendor”): Se por “vendedor líder” quer significar um “grupo de sete pessoas, com cinco clientes (um dos quais é o seu tio) e em desespero para ser adquirido muito, muito em breve”, então todas as “startups”, na verdade, têm o direito de usar este “slogan” de marketing.
4. Segurança online: Agora mesmo, está um tipo na Estónia a mexer na sua “solução de segurança.” Talvez se consiga corrigir isso na próxima década?
5. Parceiro de valor (valued partner): Excepto quando o parceiro decide não renovar os seus acordos de licenciamento e então o vendedor trata esse parceiro de valor como Michael Corleone tratou o seu valorizado irmão Fredo.
6. Não seja mau (don’t be evil): Que tal um pouco de mal quando nos apetece, porque temos boas intenções?
7. Privacidade no Facebook: As políticas de privacidade do FB (opt-in automático!) parecem mudar tantas quantas as camisolas de Zuckerberg.
8. Líder de pensamento (thought leader): Se alguma vez teve um pensamento decente (ou até dois ou três “insights”) que tenha “tweetado” ou partilhado no Facebook, isso não faz de si um líder de pensamento (ou guru ou influenciador ou perito).
9. Disponível em geral: Se o produto de um fornecedor ainda está a ser testado por um “selecto conjunto de clientes” (também conhecidos como “beta testers”) e tem mais “bugs” (erros mas também quer dizer “barata”) do que “O Hotel das Baratas”, então não está perto do disponível em geral.
10. Solução robusta: lembrei-me agora.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado