SAP prepara River, a sua nova plataforma cloud

O River servirá, sobretudo, para a extensão simples de aplicações on-demand, cabendo ao Business ByDesign o suporte a aplicações mais complexas

A SAP está a segmentar a sua nova estratégia no campo do cloud computing através de plataformas de desenvolvimento, entre as quais se inclui o River, que dará apoio à implementação do seu software ERP (enterprise resource planning).
A primeira aplicação baseada no River, o Carbon Impact 5.0, deverá estar já disponível no próximo mês e correrá sobre a nuvem Elastic Compute da Amazon. De acordo com Vishal Sikka, CTO da companhia, a SAP tem estado a trabalhar no River durante os últimos 18 meses.
As aplicações do River foram concebidas para ser simples, com apenas algumas dúzias de ecrãs e são muito simples de juntar e ampliar, de acordo com Vishal Sikka. Mesmo assim, o CTO da SAP diz que a companhia teve “muito trabalho com o River, sobretudo em áreas como a segurança dos dados e a autenticação, aspectos que muitas vezes se perdem nas nuvens”.
O River será progressivamente aberto a parceiros, assim como outros serviços de infra-estrutura. “A primeira aplicação estará na Amazon, mas a plataforma foi desenhada para funcionar em múltiplas nuvens e, com o tempo, incluindo na nossa”, acrescenta Sikka.
A empresa escolheu a Amazon como primeira opção porque a companhia tem “uma ampla experiência nesta área”, diz o CTO, segundo o qual “esta é, para nós, uma excelente forma de disponibilizar estas primeiras aplicações, mas isso não significa que será a única”.
Entretanto, outras aplicações cloud mais complexas irão basear-se na plataforma que está por detrás do Business ByDesign, a suite de ERP on demand para médias empresas da SAP, de acordo com o responsável da empresa.
Embora se pensasse inicialmente que a aquisição em 2006 da Frictionless Commerce por parte da SAP representaria um papel essencial na sua estratégia on-demand, já não parece ser esse o caso.
A plataforma Frictionless proporciona “um conjunto único de componentes para aplicações semelhante ao sourcing”, sustenta o CTO da SAP, acrescentando, contudo, “não temos muitas coisas planeadas para esta plataforma fora do âmbito do e-sourcing”.
Embora a SAP pareça apostar na criação de um portefólio de aplicações on-demand, a sua adesão ao cloud computing parece algo limitada. Por exemplo, embora os clientes possam utilizar serviços públicos como o da Amazon para efeitos de desenvolvimento e testes, Vishal Sikka não prevê que os sistemas ERP de produção venham a ser executados sobre essa plataforma “nos tempos mais próximos”.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado