Mais capacidades e menos projectos de TI

Os trabalhos do Forrester IT Forum EMEA 2010, realizado recentemente em Portugal, começaram praticamente com a ideia de que as empresas deviam focar-se sobretudo em desenvolver capacidades, em vez de apostar em cada vez mais projectos de TI.

George Colony, CEO da Forrester acabou por abrir o IT Forum EMEA 2010 organizado pela consultora, lançando a ideia de que as organizações deviam focar-se primordialmente em desenvolver capacidades de negócios, suportadas pelas TI, em de projectos de TI – cuja proliferação e eficácia difícil de gerir. A indústria de TIC e as organizações mais avançadas na adopção destas tecnologias dizem há anos que as TIC são já o próprio negócio. Mas isso ainda não aconteceu verdadeiramente confirma o executivo. De qualquer maneira, o responsável considera que a questão ganhou agora maior pertinência. Por um lado, há já poucas decisões tomadas, sem ser por razões de negócio. E depois assiste-se a uma “mudança geracional na liderança das organizações” capaz de suportar uma cultura e um modelo na qual a ideia possa vingar. Além disso, há um enfoque cada vez maior na automatização de processos e a recessão está exigir níveis de eficácia no negócio, possíveis apenas com a ajuda das TIC.
Neste contexto, das recomendações deixadas por Colony, tanto a CIO como a CEO, destacam-se quatro: os CEO precisam de juntar homens de negócio e de tecnologia em colaboração para impulsionar a adopção de tecnologias; evitar que a proliferação de projectos acabe em letargias pouco eficazes; é necessário ligar as pessoas em relações fluentes para gerar inovação; e acima de tudo os CEO têm de estabelecer.

Veja a apresentação de George Colony.




Deixe um comentário

O seu email não será publicado